Nando Reis toca hits e homenageia Jackson em SP

Cantor lançou disco Drês diante de um Citibank Hall em São Paulo

Marco Tomazzoni |

Compositor com toque de Midas, Nando Reis é, além disso, um intérprete sincero e carismático. Mesmo longe dos Titãs, conquistou uma legião de fãs que transcende as rádios FM e garante casa lotada onde quer que ele vá. Na noite de ontem (26), no lançamento em São Paulo de Drês , seu oitavo álbum solo, não foi diferente: não se viam lugares vazios nas mesas do Citibank Hall, tomadas por uma plateia reverente que aplaudiu e seguiu atenta do início ao fim as duas horas de show.

O cantor abriu a noite com Mosaico Abstrato, um dos melhores exemplos da sonoridade setentista que domina seu último trabalho. A guitarra de Carlos Pontual, uma das figuras-chave dOs Infernais, banda que acompanha Nando há quase uma década, dita o riff raivoso que embala a música e dá a deixa para o ruivo se entregar e cantar com vontade versos como não entendo nada, ninguém entende nada. No telão, corações de papel e referência ao projeto gráfico do disco, batizado com o nome da ex-namorada, motor criativo de outras das novas faixas.

A urgência e a pegada roqueira de Drês , porém, infelizmente se diluem ao vivo, graças ao teclado e ao violão de Nando, sempre na linha de frente dos arranjos, e na própria virtuose de Pontual, que se revela cansativa ao longo da noite. Mesmo assim, a bela Hi, Dri e Só para So, dedicada à filha do cantor, Sophia, fizeram jus às versões de estúdio. Por outro lado, o dueto de Pra Você Guardei o Amor, que também contou no palco com a presença de Ana Cañas, pareceu desperdiçado.

Nem um pouco preocupados com isso, os fãs queriam era gritar o nome do ídolo e cantar alto os sucessos compostos por ele. A primeira a levantar a plateia foi a ingênua O Mundo é Bão, Sebastião e Espatódea não ficou atrás, ambas compostas para seus filhos e mais uma prova de que a vida pessoal impulsiona sua verve de Nando.

Com uma citação a Wanna Be Startin Something, a canção Sou Dela, do álbum anterior, Sim e Não , foi dedicada ao mito Michael Jackson, morto nesta quinta-feira, vítima de um ataque cardíaco. Sem medo de chegar a um lugar comum, sou um homem comum e fui tocado pela música dele, disse Nando ao microfone. Salve, Michael Jackson!

Os pontos altos da noite foram as canções famosas na voz de Cássia Eller, amiga e grande parceira do compositor. All Star, Relicário, Luz dos Olhos e O Segundo Sol, que encerrou a primeira parte do show, mostraram que o legado da cantora continua vivo na boca do público e que, sim, será difícil superar as versões gravadas por ela.

No bis, três músicas para deixar o fã de pop nacional convencido de que valeu a pena pagar o ingresso e da razão pelo qual Nando é um dos maiores arrecadadores de direitos autorais do Brasil: Onde Você Mora (sucesso do Cidade Negra), Marvin, dos Titãs, e Do Seu Lado, hit gigantesco do Jota Quest, acompanhado em uníssono.

Nando Reis repete a dose neste sábado, às 22h, e no domingo, às 18h, quando as mesas do Citibank Hall serão substituídas pela pista normal e, consequentemente, com entradas mais baratas.

Veja o setlist do primeiro show em São Paulo:

Mosaico Abstrato
Hi, Dri
Sou Dela
Ainda Não Passou
Drês
Mil Galáxias
O Mundo é Bão, Sebastião
Só para So
Espatódea
All Star
Pra Você Guardei o Amor
Relicário
A Letra A
Conta
Por Onde Andei
Livre Como Um Deus
N
Luz dos Olhos
Os Cegos do Castelo
O Segundo Sol
Bis
Onde Você Mora?
Marvin
Do Seu Lado

    Leia tudo sobre: nando reis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG