Música sobre ex-gay fica em 2º lugar em Sanremo

Canção, que diz que homossexualidade é uma doença que tem cura, provocou protestos

EFE |

A controvertida canção "Luca era gay", cuja letra, diz que o homossexualismo "se cura", como se fosse doença, o que provocou a ira de grupos homossexuais rendeu a seu cantor e autor, Povia, o segundo lugar na 59ª edição do festival Sanremo, vencida por Marco Carta, de 23 anos, com "La forza mia" (Minha força).

Marco Carta, nascido em Cagliari, capital da ilha de Sardenha, despontou para a fama no ano passado, ao ganhar o concurso musical "Amici", organizado pelo canal de televisão privado "Canale 5", do grupo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

Carta, segundo os analistas do festival da canção italiano, conseguiu a vitória no final da noite passada graças ao voto majoritário emitido por telefone pelos jovens italianos, que acompanham sua curta, mas já vitoriosa carreira, pois seu único álbum até agora, "Ti rincontrero" ganhou um disco de platina.

A segunda colocada, "Luca era gay", pôs em pé de guerra grupos de ativistas homossexuais, que poucas horas antes de começar a final se manifestaram pelo centro de San Remo para protestar pelo que chamaram de "um novo ataque 'da sociedade' contra homossexuais, lésbicas e transexuais".

A canção fala de um jovem, Luca, que era homossexual, mas que "'se curou' e voltou a ser normal após se casar felizmente com uma mulher"

    Leia tudo sobre: festival sanremo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG