Mesmo com 1h30 de atraso, João Gilberto encanta platéia paulistana

Carlos Augusto Gomes |

"O avião decolou e já aterrisou. Ele está a caminho". Ele, é claro, é João Gilberto. As frases saíram pelo sistema de som do Auditório Ibirapuera, em São Paulo, para justificar o atraso que, no momento do aviso, já era de 40 minutos para o início do primeiro show do cantor no país em sete anos.

Quem ainda se espanta com o atraso de João é João Gilberto?

Foram necessários outros 40 minutos para que seu mítico banquinho - na verdade, uma cadeira - finalmente fosse posicionado no palco. Depois, foi a vez de colocar no lugar microfone, apoio para o pé e uma mesinha com uma garrafa d'água e uma toalha. Tudo pronto para receber o pai da Bossa Nova - depois de mais dez minutos.

"Cheguei atrasado. Desculpe", explicou João Gilberto, para logo depois cantar uma das marcas registradas de seus shows, "Aos Pés da Cruz". Na próxima 1h30, o público de São Paulo teve o privilégio de ver e ouvir de perto "o nosso músico maior" - palavras do crítico e pesquisador Zuza Homem de Mello, que introduziu o cantor ao palco.

A famosa implicância do artista com as interferências no som quase não deu as caras. E olhe que, pelo menos na primeira canção, ele teve motivos para reclamar. Primeiro, do barulho feito pelas câmeras dos fotógrafos. Depois, do som de uma mensagem de erro do Windows que, inexplicavelmente, apareceu nos alto-falantes.

João, no entanto, continuou cantando como se nada tivesse acontecido - e esses problemas, felizmente, não se repetiram até o final da noite. E se, no início do show, mal levantou os olhos do chão, no bis o músico já estava até contando piadas para a platéia, visivelmente satisfeito com a recepção do público.

Cerca de metade do repertório foi composta por clássicos da bossa nova. O primeiro foi "Wave", numa versão arrepiante. Depois, foi a vez de "Meditação", "Corcovado", "Samba do Avião", "Desafinado", "Lígia" e "Chega de Saudade" (os dois momentos mais aplaudidos do show) e, já no bis, "Samba de uma Nota Só" e "Garota de Ipanema".

A outra metade do roteiro teve aqueles sambas menos conhecidos que, de tanto João Gilberto cantar, já viraram seus - "Doralice", "Rosa Morena", "Da Cor do Pecado", "Morena Boca de Ouro" e muitos outros. Dentre esses, destaque para "Preconceito" - nele, o cantor mostrou que não é considerado um gênio da divisão rítmica à toa.

A apresentação teve quase trinta músicas, sendo que nove delas no generoso bis. Além das já citadas "Samba de uma Nota Só" e "Garota de Ipanema" (a última da noite), no bis João homenageou Tito Madi (uma belíssima "Chove Lá Fora") e Denis Brian ("Bahia com H"). A palavra que melhor define a reação do público foi encanto.

João Gilberto faz um segundo show no Auditório Ibirapuera nesta sexta-feira, a partir das 21h. Os ingressos já estão esgotados. No próximo dia 24, canta no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (ingressos também esgotados) e, no dia 05 de setembro, no Teatro Castro Alves, em Salvador (a venda começa no próximo dia 26).

Veja abaixo o set list do show desta quinta:

"Aos Pés da Cruz"
"13 de Ouro"
"Wave"
"Caminhos Cruzados"
"Doralice"
"Meditação"
"Preconceito"
"Disse Alguém"
"O Pato"
"Corcovado"
"Samba do Avião"
"Lígia"
"Você Já Foi à Bahia"
"Rosa Morena"
"Morena Boca de Ouro"
"Desafinado"
"Estate"
"Não Vou pra Casa"
"Chega de Saudade"
"Isso Aqui o que É"

Bis

"Chove Lá Fora"
"O Nosso Amor"
"Bahia com H"
"Da Cor do Pecado"
"Retrato em Branco e Preto"
"Samba de uma Nota Só"
"Guacyra"
"Pra Machucar Meu Coração"
"Garota de Ipanema"

Leia mais sobre João Gilberto

    Leia tudo sobre: joão gilberto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG