Maíra Freitas, filha de Martinho da Vila, lança 1º CD

Em seu trabalho de estreia, pianista e cantora interpreta canções do pai e de Chico Buarque e Paulinho da Viola

AE |

Divulgação
Maíra Freitas
Estariam os membros de uma família de sambistas predestinados ao samba? A trajetória da pianista carioca Maíra Freitas, 25 anos, mostra que não obrigatoriamente. Mas, se um dia, nasce a vontade de flertar com o ritmo, sem pressões externas, tudo bem também. Filha de Martinho da Vila, ela não escapou da música, mas trilhou um caminho diferente ao dos irmãos. Aos 7 anos, começou a aprender a tocar piano. Maíra não se lembra o que a levou a escolher justamente o piano, apenas que pedia para sua mãe que queria fazer aula do instrumento. Entrou em conservatório e, mais tarde, cursou faculdade de piano.

Mas ao mesmo tempo que a música clássica lhe tomava boa parte do dia, o samba estava ali, sempre à espreita. "Ouço samba desde pequena. Ia aos shows do meu pai. Para mim, sempre foi tranquilo transitar nos dois universos", diz. Em casa, escutava, ainda, muita MPB: Djavan, Chico Buarque, Paulinho da Viola, só para citar alguns nomes. Dessa convivência musical, nasceu seu disco de estreia, Maíra Freitas, recém-lançado pela Biscoito Fino.

Neste trabalho, ela queria que o repertório soasse como uma extensão desse ecletismo. Sempre ao piano, executa alguns clássicos que são de seu gosto, como "O Show Tem Que Continuar", "Maracatu Nação do Amor" e "Disritmia" - esta última, de autoria de seu pai e com participação dele. Além de tocar piano, Maíra estuda outro instrumento: a voz. "O canto veio há pouco tempo. Sempre cantei, mas em casa, festas, rodas de samba. E sempre fez parte do estudo do piano", conta a filha de Martinho. "No ano passado, fiz canto coral na faculdade. Meu pai me ouviu cantando e me chamou para participar do último disco dele".

No caso, a música "Último Desejo", do CD "Poeta da Cidade - Martinho Canta Noel Rosa", de 2010. Essa participação, em especial, chamou a atenção de Olivia Hime, diretora artística da gravadora, que propôs à pianista um disco só dela. Sua irmã, Mart’nália, foi recrutada para assinar a produção. Além de pianista e cantora, Maíra quis se expor como compositora. E entre músicas de Paulinho da Viola ("Só o Tempo"), Joyce ("Monsieur Binot"), Gonzaguinha ("Recado") e Chico Buarque ("Mambembe"), incluiu suas "Corselet", "Alô?" e a instrumental "Se Joga". Maíra deve sair em turnê a partir de maio.

    Leia tudo sobre: Maíra Freitas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG