the mad birds,zé ovo" the mad birds,zé ovo"

Little Quail se reúne para show único em São Paulo

Grupo de rock Little Quail & The Mad Birds se reúne para show em São Paulo

Redação iG Música |

Extinto desde 1997, o grupo Little Quail & The Mad Birds volta a se reunir agora na cidade de São Paulo, no próximo domingo (01.02). Desconhecida da geração que consagrou bandas como Fresno e NX Zero, o Littel Quail foi formado no final dos anos 80 pelos amigos Gabriel Thomaz, Zé Ovo e Bacalhau.

Com pouco mais de três anos de existência - e sem sequer uma fita demo gravada - o grupo já lotava as casas de Brasília por conta de canções como "1,2,3,4" e "Família Que Briga Unida Permanece Unida".

Em 93 o Little Quail lançou seu primeiro álbum pela Banguela Records, alcançando um público maior graças ao vídeo de "Essa Menina", exibido pela MTV. Nesse mesmo período o Raimundos, uma outra banda da mesma gravadora, ganhou projeção nacional e arrastou o grupo para abrir diversos shows. Dessa convivência surgiu inclusive um dos maiores hits do Raimundos, "I Saw You Saying (That You Say That You Saw)", composta por Gabriel e Rodolfo.

Três anos mais tarde surgia o segundo disco da banda, A Primeira Vez Que Você Me Beijou , lançado pela Virgin-Brasil. Esse trabalho, que poderia ser o decolar do Little Quail, acabou resultando no fim da banda por conta da má distribuição e descaso da gravadora.

O vocalista e guitarrista Gabriel Thomaz montou o Autoramas, que está preparando seu primeiro trabalho acústico. O baterista Bacalhau é integrante fixo do Ultraje a Rigor desde 2002. E o baixista Zé Ovo... bem, a resposta desse mistério você descobre na entrevista que Gabriel deu ao iG Música para falar dessa saudosa reunião.

O Little Quail acabou em 97. Como foi essa separação? Vocês continuaram amigos?

A gente continua amigo até hoje. Formamos a banda como uma coisa de turma, da galera com quem eu andava desde moleque. Eu tinha 14 anos de idade quando escrevi aquelas músicas. A gente era bem isso mesmo. A mãe do Zé Ovo levava a gente no cinema de carro, para você ter ideia.

O Bacalhau eu fui conhecer na sala de aula, no primeiro ano do segundo grau. Ele foi nosso segundo baterista, o Berma foi o primeiro - e ganhou até uma música, "Berma Is A Monster".

Naquela época vocês eram mais novos, não havia internet... O que você sente mais falta da época do Little Quail?

Acho que nada - risos. Se tem alguma coisa não me lembro agora, mas hoje tá muito melhor. A gente era meio resquício dos anos 80, com aquele padrão de como fazer um disco...

As bandas eram outras, mas os empresários eram os mesmos, as gravadoras eram as mesmas, tudo igual. Só depois que as coisas foram mudar. Com o Autoramas eu corri o Brasil tocando em capitais que ninguém nunca toca, lancei discos independentes que venderam pra caramba. Fomos premiados pela MTV, lotamos shows... Quando o Little Quail acabou nem tinha internet.

Existe alguma influência do Little Quail no Autoramas?

Claro. Total. A própria decepção de saber que quando fazíamos as coisas nos demos bem pra caramba, e quando dependíamos dos outros a gente se deu mal. Ficar esperando a boa vontade dos outros não dá, a vida na mão de outra galera não dá.

Na época do Little Quail, em Brasília, a gente botava duas mil pessoas num show só com uma fita demo. A banda era muito famosa na cidade e era frustrante pra gente, que era pop star regional, não conseguir repetir a coisa em outras cidades.

Isso fez a gente entender várias coisas. Em Brasília nunca precisamos de gravadoras, empresário, e isso eu apliquei anos depois no Autoramas.

Nesse meio tempo o Bacalhau acabou no Ultraje a Rigor, você está firme no Autoramas, mas a pergunta que todo mundo faz é: Cadê o Zé Ovo? Que fim ele levou?

A história do Zé é a seguinte: Ele era o mais indignado com esse lance de indústria, o mais revoltado. E quando a banda acabou ele disse "eu nunca mais vou tocar, nunca mais vou trabalhar com essa porcaria."

Depois o Roger até o convidou para entrar no Ultraje, mas ele não quis. E hoje em dia ele continua trabalhando com música como roadie profissional, diretor de palco, cuidando de festivais grandes...

Ele sempre me conta fofocas, eu tô sempre por dentro. Ele já trabalhou com o Pepeu Gomes, Orquestra de São Paulo, sei lá o que mais... Natiruts, Porão do Rock, festival de heavy metal...

Já houveram outros reencontros do Littel Quais de 97 para cá?

Nós fizemos um no Rio, em 2002, pois era a cidade onde mais tínhamos público depois de Brasília. Tínhamos um carinho muito grande pela cidade. E era muito legal fazer show no Rio. Sempre lotava. Por isso escolhemos o Rio para tocar em 2002.

Depois lançaram um tributo ao Little Quail em Brasília e agente foi tocar lá em 2004. E foi lindo! Fizemos o show no ginásio de um clube que ficou lotado. Não sei quantas mil pessoas.

E como surgiu esse convite para tocar em São Paulo?

A culpa é do Alan, do Rock Rockets. Ele é um grande fã da banda e se você olhar o Rock Rockets é o Little Quail de hoje, tem tudo a ver. Ele tava organizando um evento de power trios no Centro Cultural e fez o convite.

Pedi para não marcar nem sexta nem sábado, pois sempre tenho shows do Autoramas nesses dias. Por isso domingo. Agora o mais difícil foi armar com o Zé. Eu falei pro Alan "se o Zé topar eu topo." E aí aconteceu.

Qual a expectativa para esse reencontro?

Eu não sei, é engraçado, depois que comecei com o Autoramas é que as pessoas começaram a vir falar do Little Quail. A galera que a gente conquistou com os clipes não tinha idade para sair naquela época, era gente que via na TV e não ia nos shows.

Há um ano e meio atrás a coletânea do Little Quail vendeu muito mais disco do que os álbuns da época, mesmo com esse papo de acabou o CD.

Quando eu saí de Brasília para fazer show em São Paulo tive que ir com a minha mãe na rodoviária para fazer uma autorização do Juizado de Menores - risos.

O lance é para valer, vocês pretender voltar a gravar?

Não há nenhuma vontade. É passado total. O que é mais legal do Little Quail que eu ainda tenho no coração são os meus amigos. Já fiz músicas muito melhores, com músicos muito melhores... já foi. Acabou na hora certa.

O que o pessoal pode esperar desse show? Todas as músicas, alguma coisa diferente?

Vamos tocar todas as músicas. Vai ser o que couber em 1h20 de show. Agora a hora que o pessoal do Centro Cultural mandar a gente vai parar.

O Little Quail se apresenta no Festival Power Trio DeLuxe , que acontece no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000 - Sala Adoniram Barbosa), no dia 1º de fevereiro, às 18h00. Os ingressos custam R$ 12 e só são vendidos na bilheteria do local.

A programação completa do Festival Power Trio DeLuxe é:

30 de janeiro: Faichecleres e Zefirina Bomba
31 de janeiro: Rock Rocket e Bad Luck Gamblers
1º de fevereiro: Little Quail & The Mad Birds e The Dead Rocks

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG