BR Where You Go I Go Too - Música - iG" /

Lindstrøm BR Where You Go I Go Too

Diego Fernandes |

Por Diego Fernandes

O norueguês Hans-Peter Lindstrøm é um dos nomes mais incensados da dance music atual. Em parceria com seu colaborador freqüente, Prins Thomas, é considerado responsável por definir o estilo conhecido como cosmic disco, um subgênero notável tanto por sua cadência hipnótica quanto pelo teor intrinsecamente brega de suas composições.

Where You Go I Go Too , seu primeiro álbum solo composto inteiramente de material inédito, é uma maratona através de diversos centros de prazer do córtex humano, valendo-se de elementos musicais que poderiam ser taxados de datados, caso o adjetivo atemporais não se mostrasse mais adequado. Embora Lindstrøm faça, para todos os efeitos, música para dançar (repleta de calor humano, um feito se pensarmos que se trata de um produtor escandinavo), não é difícil detectar em Where You Go I Go Too as inclinações de um outsider estudando um gênero musical com apuro quase científico.

Em outras palavras, a porção disco é menos notável que a cosmic. Composto por três longas faixas, o álbum deixa entrever, na maneira como dispõe sons, uma estética mais associável ao rock progressivo recheado de timbres estrambóticos dos anos 70 (sobretudo bandas alemãs como Ash Ra Tempel e Tangerine Dream) do que a vertentes dance contemporâneas. "Where you go I go too", a faixa-título, é um crescendo disco/prog/sub-coletânea lounge suspenso em ar rarefeito até a casa dos 7 minutos - quando ocorre um ataque frontal de sintetizadores que provavelmente já eram considerados algo démodé em 1984, mas que ressaltam o lascivo controle do ritmo mantido por Lindstrøm nos 20 ensolarados minuto que se seguem.

Simultaneamente futurista e ancestral, Where You Go I Go Too é uma peça estranha mas cativante, com a habilidade de agradar tanto aos fãs antenados de Panda Bear (uma das inspirações confessas de Lindstrøm) quanto quarentões que ainda se comovem ao assistir um VHS bolorento de Jean Michel Jarré tocando para uma multidão em algum país comunista.

    Leia tudo sobre: lindstrom

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG