Les Pops lança CD apontado como o ¿disco da estação¿

¿Quero ser cool¿ devolve a fina ironia à música carioca

Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro |

Este verão não vai ser como o que passou. Les Pops, trio formado por Daniel Lopes, Rodrigo Bittencourt e Thiago Antunes, acaba de lançar seu primeiro CD, “Quero ser cool”. As músicas, em sua maioria de uma doce melancolia, têm tudo para embalar as tardes do verão carioca. Já apontado por muitos como o “primeiro grande disco do ano”, este trabalho vem afirmar, com categoria, que a boa ironia está de volta à música popular.

Divulgação
Rodrigo Bittencourt, Thiago Antunes e Daniel Lopes
O lançamento do CD, previsto para setembro passado, foi propositalmente remarcado para este começo de ano. O atraso, um tanto arriscado, visto que nesta época de pré-carnaval as rádios são dominadas por modismos baianos e refrões trash de Latino, pareceu acertado. O verão carioca - há tempos - carecia de uma trilha sonora entusiasmada.

O grupo, que já vinha se apresentando em pocket-shows, tem a cara da turma que se frequenta e se esbarra pelo Baixo Gávea, parte boêmia da zona sul carioca. Na letra que dá nome ao disco, fica ainda mais evidente o cinismo engraçado e meio que sem querer do trio. Diz a música: “Eu quero ser cool / Mas não levo jeito / Porque tudo que eu digo é meio torto e esquisito / Eu não apareço na TV”. É um disco para se ouvir na praia, no ipod enquanto se caminha no calçadão ou em casa.

Enquanto que a rápida “Camisa Listrada” soa como que inspirada nas noites quentes da cidade, “Quero ser cool” tem tudo a ver com o sol a pino no outro lado da janela do quarto. “Macaco Pavão” pede um final de tarde, sol já se escondendo lá atrás do morro Dois Irmãos. O sol já se pôs e aí vem, fechando o disco, “A Canção”, a mais soturna melodia do CD. Aluguel em Abbey Road”, referência aos Beatles, é outro bom momento do repertório – moderno sem ser besta, metido a intelectual sem ser chato.

Este jeito descompromissado e jovial do trio permite gracejos de várias formas. Como os sussurros de “Chicago Bulls, Chicago Bulls” ao fundo de “Quero ser cool”. Difícil não repetir.

Humor até nos agradecimentos do encarte

Divulgação
Capa do álbum
Rodrigo Bittencourt agradece a Gilles Deleuze e até ao papa Gregório 8, “por ter roubado dez dias da humanidade (referência à reforma do calendário ocidental). Daniel Lopes não esquece de Charles Darwin e Charles Chaplin. Antunes é mais lúdico e agradece ao Saci Pererê e Curupira. Haja referência de criação.

Les Pops lança oficialmente o disco nos dias 11, 12 e 13 de fevereiro, no Café Pequeno, no Leblon, zona sul do Rio (onde mais?). Que não levem ao pé da letra o que diz uma das canções... “Eu quero ser cool / Mas não sei se deve dar/ Só de ver toda essa gente aqui nesse lugar/ A vontade que eu tenho / É de me enfiar debaixo da minha cama / E não sair de lá...”

Les Pops, por negar que assim seja esta a sua identidade, resgata o estilo “cool” que faz a imagem do “carioca gente fina”.

    Leia tudo sobre: les popsrodrigo bittencourtdiscomúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG