LCD Soundsystem comanda 1º dia de Coachella

Grupo de James Murphy brilhou na Califórnia, ao lado de Jay-X e Them Crooked Vultures

Lúcio Ribeiro, enviado a Indio, Califórnia |

Engraçado ver que o gordinho boa-gente e meio desengonçado James Murphy, com um cabelo que parece ter sido cortado por ele mesmo, virou pop star. Sua banda, a nova-iorquina LCD Soundsystem, fez talvez o grande show do primeiro dia do festival Coachella Music & Arts, evento de três dias que começou nesta sexta-feira no meio do deserto da Califórnia.

Uma coisa é você encarar o maior palco do festival, perto das principais atrações do dia. Outra coisa é você fazer isso e arrastar um público gigante para vê-lo. Às portas de lançar seu terceiro e anunciado último disco, This Is Happening (maio), Murphy comandou do palco, com gritaria, dancinha e pedidos para apagarem a luz do palco, um misto de disco music, indie e pós-punk que, nas suas mãos, dá um sabor anos 2010 à música pop.

Getty Images

Show do rapper Jay-Z no festival contou a com participação de Beyoncé, sua mulher

Principalmente porque o LCD Soundsystem herdou o Coachella Stage, o maior dos cinco palcos do festival, do já clássico Them Crooked Vultures (que tem um ex-Led Zeppelin na formação) e depois o entregou para a megaestrela rapper Jay-Z, que ainda botou para cantar outra megaestrela, Beyoncé, sua mulher, no showzão hip hop para as massas que encerrou com fogos o primeiro dia do Coachella.

E, no meio dessa programação estrelada, James Murphy e sua trupe do LCD Soundsystem saíram-se espetacularmente bem. O repertório mais antigo e três músicas novas estiveram no show. Do álbum que ainda vai sair o LCD Soundsystem desempenhou "Drunk Girls", "Pow, Pow, Pow" e "I Can Change". E, sim, o gordinho engraçado James Murphy pode mudar tudo...

Outros destaques da sexta-feira do Coachella:

Divulgação

Dave Grohl, do Them Crooked Vultures

1. O poderoso e universal show do supergrupo Them Crooked Vultures, que tem na sua formação só feras: Josh Homme (importante produtor e guitarrista do Queens of the Stone Age), Dave Grohl (ex-Nirvana e líder do Foo Fighters e o lendário baixista John Paul Jones (ex-Led Zeppelin). O som ao do TCV, com tanto roqueiro importante para atrair os olhos, fez os ouvidos passearem pelo rock clássico próximo ao hard rock. Sem concessões. Viagem no deserto. "Quem bom recebê-los na minha casa", disse Josh Homme, que mora na região e neste ano tocou no Coachella pela quarta vez, sempre com bandas diferentes.

Getty Images

Chris Keating, vocalista do Yeasayer

2. Logo no começo do dia, o pequeno grupo Yeasayer arrastou um público enorme para sua tenda, que teve gente ficando do lado de fora e só podendo ouvir de longe o show indie-experimental étnico da banda nova-iorquina. Para um começo de festival, à tarde, e uma banda do tamanho do Yeasayer, a quantidade de pessoas que foram vê-los foi mesmo surpreendente.

Getty Images

John Lydon comanda o grupo Public Image Limited (PiL)

3. A inglesa La Roux, com seu eficiente som tecnopop anos 80, parecia não acreditar na multidão cantando e dançando suas músicas, teve seu brilho no Coachella de sexta. A banda Ra Ra Riot, indie com violoncelo e violino, fez talvez o mais interessante show de banda nova do primeiro dia do festival. À noite, rivalizando com o peso pesado Jay-Z e o cultuado Fever Ray, via-se John Lydon (que já foi Johnny Rotten nos tempos do Sex Pistols), gritar "This Is Not a Love Song" pelo deserto em show de seu revivido Public Image Limited, com gostinho de passado, mas ainda assim com muita história para contar.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG