Assessoria da cantora classifica como "equivocada" a acusação de que dinheiro estaria sendo desviado pela artista

Depois da acusação de golpe em venda de pulseiras em prol do Japão, Lady Gaga se defende em nota
Getty Images
Depois da acusação de golpe em venda de pulseiras em prol do Japão, Lady Gaga se defende em nota
Representantes da cantora Lady Gaga negaram nesta terça-feira (28 de junho) as acusações de golpe relacionadas à venda de pulseiras da cantora em prol da recuperação do Japão pós-terremoto e tsunami.

Eles disseram que a ação judicial contra a artista e outras empresas envolvidas na comercialização das peças é equivocada e sem mérito. As pulseiras de borracha, comercializadas por US$ 5 (R$ 7,8), são vermelhas e brancas e trazem a inscrição "Rezamos pelo Japão" em inglês.

Getty Images
Lady Gaga com uma das pulseiras durante coletiva de imprensa no Japão, em 23 de junho
"O equivocado processo é sem mérito e infelizmente desvia a atenção das gentis atitudes de fãs do mundo todo que estão apoiando o povo do Japão", disseram representantes de Gaga em nota.

Uma entidade jurídica de Michigan, chamada 1800Lawfirm, moveu a ação na semana passada, alegando que nem todo o faturamento advindo das pulseiras estava sendo destinado às vítimas do terremoto e do tsunami de março no Japão, como afirma Lady Gaga em seu site. O processo também alega que os custos do frete estão inflados.

A nota dos representantes da cantora insiste que toda a renda das pulseiras está sendo destinada ao Japão, e que não há lucro com as despesas pela remessa.

"Lady Gaga empenhou pessoalmente seu dinheiro nesta causa e continua apoiando as vítimas do desastre", afirma o texto.

Gaga, cujo nome real é Stefani Germanotta, teria doado US$ 3 milhões (R$ 4,7 milhões) às vítimas japonesas por meio da venda das pulseiras e de outros empreendimentos.

No mês passado, a revista Forbes apontou Lady Gaga como a mais poderosa celebridade do mundo, com base no seu rendimento, na sua visibilidade midiática e na sua popularidade nas redes sociais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.