John Neschling deixa direção da Companhia Brasileira de Ópera

Segundo maestro, "burocracia estatal" não permitiu alcançar os resultados desejados

Agência Estado |

- Divulgação
John Neschling: voltando para a Europa
O maestro John Neschling anunciou nesta terça-feira, 4, sua saída da direção artística da Companhia Brasileira de Ópera, criada por ele há um ano com o objetivo de percorrer o País com produções itinerantes. Com o apoio do Ministério da Cultura, que investiu R$ 5 milhões no projeto, a companhia apresentou-se ao longo de 2010 em dez Estados do País.

Segundo o maestro, a "burocracia estatal" não permitiu a obtenção dos resultados desejados. "Da forma como funcionou nessa primeira fase, a companhia não terá condições de sobreviver dentro dos meus parâmetros de qualidade e eficiência", diz o maestro, que afirma estar de mudança para a Europa, "para onde vou só com passagem de ida". Em comunicado postado em seu blog, o Semibreves, Neschling afirma que encerra ciclo de atuação no País, iniciado com sua chegada à Sinfônica do Estado, em 1997 - ele foi demitido do posto de diretor do grupo em janeiro de 2009.

O futuro da companhia era incerto desde a saída de Juca Ferreira, grande apoiador do projeto, do Ministério da Cultura. "Imaginei que após o primeiro ano de atividades a continuidade do projeto pudesse ser assegurada pela criação de uma estrutura estatal estável. Mas não há indicação de que o projeto seja uma das prioridades do novo governo." Não há ainda posição oficial do ministério sobre uma segunda temporada.

Sobre a volta à Europa, Neschling fala em descompasso entre a realidade econômica do País e a preocupação com a cultura. "Admiro a coragem de sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas, mas por que um país com essas pretensões é incapaz de ter um teatro de ópera decente? Por que continuamos a ignorar a cultura como um dos pilares do desenvolvimento econômico?", diz.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG