Jimi Hendrix pode ter sido assassinado, diz médico

Livro de roadie do guitarrista reacende polêmica sobre a morte do músico

Redação iG Música |

John Bannister, o médico que atendeu o guitarrista Jimi Hendrix na noite de sua morte, em 1970, disse ser "plausível" que o músico tenha sido assassinado.

A afirmação surgiu no mesmo momento em que o livro "Rock Roadie", escrito pelo roadie do guitarrista, James "Tappy" Wright, chega às lojas afirmando que o empresário de Hendrix, Mike Jeffery, teria sido o responsável por sua morte.

De acordo com a obra de Wright, o empresário assumiu a autoria do crime pouco antes de morrer num acidente de avião em março de 1973. Em suas palavras, Jeffery teria pago uma gangue para invadir o quarto de Hendrix no Notting Hill Hotel e forçá-lo a ingerir comprimidos para dormir com vinho.

O empresário teria feito um seguro de vida no valor de US$ 2 milhões pouco antes da morte do músico, que de acordo com ele valeria mais morto do que vivo.

"A teoria de Wright soa plausível por conta do volume de vinho encontrado em seu pulmão e no resto de seu corpo", explicou o médico. "A quantidade de vinho que havia nele era extraordinária. Além de ter o cabelo e a camiseta encharcados com a bebida, seu pulmão e estômago estavam entupidos. Eu nunca vi tanto vinho."

O médico ainda revelou que ficou surpreso ao perceber que não parava de sair vinho pelo tubo que ele inseriu no pulmão e estômago de Hendrix. "Eu acho que devia ter pelo menos meia garrafa de vinho em seu cabelo. Ele literalmente se afogou em vinho", completou.

    Leia tudo sobre: guitarrajimi hendrix

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG