Israelenses confundem Roberto Carlos com jogador de futebol

Show do cantor gera curiosidade em Jerusalém; brasileiros falam sobre viagem à Terra Santa

Augusto Gomes, enviado especial a Jerusalém |

Todos os dias, Meital Zacharya monta sua barraca de pedidos de doações para os jovens que prestam serviço militar em frente ao Portão de Jaffa, a mais movimentada entrada para a cidade velha, em Jerusalém. Há algumas semanas, ela ganhou companhia: a área está repleta de cartazes anunciando o show que Roberto Carlos faz na cidade nesta quarta-feira (07). Mas ela, como boa parte dos israelenses, não faz ideia de quem é o artista.

Augusto Gomes/iG
Meital Zacharya: dúvidas sobre a fama de Roberto Carlos e o motivo da vinda de brasileiros para vê-lo em Israel
Durante a visita do cantor ao Muro das Lamentações , no último domingo, houve quem perguntasse se aquele brasileiro chamado Roberto Carlos que se aproximava do local dentro um carro era o jogador de futebol homônimo. O único que ligou o nome a um músico tinha certeza que Roberto era um cantor de bossa nova. "Ele gravou um disco com o (saxofonista americano) Stan Getz", disse, categórico. Não, esse foi o João Gilberto .

Siga o iG Cultura no Twitter

"Sei que ele é um cantor brasileiro. Vi uma reportagem no jornal", diz Meital a um amigo que também recolhe donativos no Portão de Jaffa. Mas essas são as única informações que ela tem: um cantor brasileiro. "Ele é famoso?", pergunta Meital. Sim, é o cantor mais popular do Brasil. "E ele faz muitos shows no Brasil?". Sim, faz vários. "Então por que os brasileiros vêm até Jerusalém para vê-lo?". Boa pergunta.

A mesma questão foi feita por funcionários da imigração do aerporto David Ben Gurion para alguns jornalistas que vieram acompanhar a visita de Roberto Carlos à Terra Santa: por que vir até Israel para ver um artista brasileiro? Para o casal Wagner e Darlene Rodrigues, a resposta é simples: conhecer Jerusalém por si só já é um motivo. O show de Roberto Carlos foi apenas o "incentivo" para uma viagem que eles queriam fazer há anos.

Os dois chegaram a Jerusalém na segunda-feira estão entre os 1,5 mil brasileiros que compraram pacotes de viagem de cinco dias em Israel. A programação inclui, além da apresentação de Roberto Carlos, visitas guiadas à própria Jerusalém e mais Galileia, Belém e Mar Morto. Os preços variam de US$ 3,4 mil (R$ 5,4 mil) a US$ 14,2 mil (R$ 22,6 mil), dependendo do hotel e da proximidade do palco no show.

"Nós sempre quisemos conhecer a Terra Santa, mas deixávamos para depois", explica Wagner, que tem 56 anos e é agente aduaneiro. "Quando soubemos desse pacote com o show do Roberto, pensamos: é agora". Ambos estão ansiosos para a apresentação (Darlene quer ouvir "A Montanha", enquanto Wagner prefere músicas da época da Jovem Guarda), mas ainda mais para conhecer locais como o Santo Sepulcro e o Muro das Lamentações.

"Sabe quando o Roberto Carlos canta 'Jesus Cristo, eu estou aqui'? É assim que estou me sentindo", explica a aposentada Eulália Theresa Pereira, de 76 anos. Ela havia chegado a Israel de madrugada, mas às sete da manhã já estava pronta para conhecer a Galileia. "Eu sou católica e para mim é muito emocionante passar por onde Jesus andou", diz. "Juntar isso com a emoção de ver o Roberto Carlos é uma oportunidade única."

* O repórter viajou a convite da organização do show

    Leia tudo sobre: roberto carlosmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG