Guitarrista Jeff Beck traz álbum inédito ao Brasil

Músico se apresenta nesta quarta no Rio e na quinta em São Paulo

AE |

Divulgação
O guitarrista Jeff Beck
Último herói da guitarra, Jeff Beck chega hoje ao Brasil. Remanescente de uma estirpe de guitar heroes que inclui Jimi Hendrix e Duane Allman (mortos) e Eric Clapton e Jimmy Page (vivos, mas semiaposentados), um clube fechadíssimo, o ativo guitarrista britânico de 66 anos desembarca a bordo de um novo álbum, "Emotion and Commotion", seu primeiro trabalho de estúdio em sete anos. Ele toca hoje no Rio e amanhã em São Paulo, no Via Funchal.

"A coisa que mais tenho ouvido nos últimos tempos é Django Reinhardt", disse o guitarrista, em entrevista por telefone. "Observar o que Django fez, no tempo em que fez, e da forma que fez, é algo que tem me deixado boquiaberto", afirmou o músico, que esteve no Brasil há 12 anos para o Free Jazz Festival.

Dos notáveis da guitarra, Jeff Beck foi o único que nunca teve o sucesso comercial de seus colegas. E seus álbuns são uma linguagem quase cifrada para a maioria dos ouvintes. Depois que Rod Stewart deixou o seu Jeff Beck Group, em 1971, ele nunca mais trabalhou com vocalista de semelhante nível em seus álbuns - à exceção, talvez, deste novo, para o qual convidou as cantoras Joss Stone, Imelda May e Olivia Safe.

Colegas de guitarra não foram econômicos ao elogiá-lo. "Jeff é um onipresente homem da Renascença", disse Billy Gibbons, do ZZ Top. "Para mim, o maior de todos os guitar heroes é Jeff Beck, que ouvi quando tinha 12 anos. Ele me fascina por continuar se desenvolvendo ano após ano, criando uma linguagem para guitarra. Sim, é certo que é uma linguagem que ninguém fala...", brincou Brian Ray, o guitarrista loiro metálico de sir Paul McCartney. Clapton já chegou a dizer que Jeff é "o melhor de todos".

Entre 1965 e 1966, Jeff Beck tocou no The Yardbirds. Em seguida, formou o Jeff Beck Group, com Rod Stewart e Ron Wood (Rolling Stones). Inglês de Wallington, nascido em 1944, Beck trouxe para o rock inglês certa pulsação do blues americano: Muddy Waters, Buddy Guy e outros. Nos anos 80, andou a serviço do funk e do jazz, tocando fusion e projetos com músicos de outras áreas, como Jan Hammer, da The Mahavishnu Orchestra. Com o Jeff Beck Trio, ganhou um Grammy.

    Leia tudo sobre: Jeff Beck

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG