Funcionário de Jackson é demitido por família

Familiares não gostaram de entrevista dada ao site TMZ

EFE |

Alberto Álvarez, diretor de logística de Michael Jackson e guarda-costas, foi despedido pela família do "rei do pop" pouco depois de dar declarações polêmicas em relação a morte do cantor, informou hoje o site "TMZ".

Álvarez continuava trabalhando para os Jackson na casa de Encino, na Califórnia, desde a morte do artista no ano passado e perdeu o emprego na sexta-feira.

Na semana passada vazou para a imprensa que Álvarez, a pessoa que alertou os serviços de emergência sobra a situação crítica do "rei do pop", comentou com os investigadores que o médico pessoal do cantor, Conrad Murray, demorou para ligar para as urgências para recolher e separar medicamentos presentes no quarto.

No entanto, Álvarez disse isso para os agentes dois meses depois da tragédia.

As declarações colocaram em dúvida novamente o profissionalismo de Murray, acusado de homicídio involuntário pela morte de Jackson e a quem a família do artista afirmou desde o princípio ser responsável pelo falecimento do "rei do pop".

Murray foi acusado formalmente em fevereiro e ficou em liberdade após pagar uma fiança. Ele espera o julgamento, que deve começar no dia 5 de abril em Los Angeles.

A autópsia confirmou que a causa da morte de Jackson, no dia 25 de junho de 2009, foi uma intoxicação aguda de fármacos, principalmente propofol.

Em seu testemunho, Álvarez assegurou que o médico trabalhou freneticamente para salvar a vida do cantor chegando a praticar boca a boca, enquanto ele se ocupava da reanimação cardiopulmonar.

Depois o doutor recolheu alguns frascos e falou para Álvarez colocá-los em uma bolsa.

    Leia tudo sobre: michael jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG