Filho de John Lennon diz que odiou seu pai

Julian, filho do primeiro casamento de Lennon, chegou à conclusão de que a raiva foi perda de tempo

EFE |

O cantor Julian Lennon, filho de John Lennon com sua primeira esposa, Cynthia Powell, disse ter chegado à conclusão de que "a raiva e o ódio são uma grande perda de tempo" e que, se seu pai estivesse vivo, o abraçaria.

Em declarações publicadas hoje pelo jornal italiano "La Stampa", Julian, que inaugura hoje em Liverpool uma exposição de objetos pertencentes a seu pai chamada "White Feather Exhibition", explica que "converteu em energia positiva" o ódio que antes sentia em relação a seu pai por ter sido abandonado por ele.

"Se meu pai entrasse agora por aquela porta, nos abraçaríamos e choraríamos juntos", diz Julian na entrevista.

Durante anos, o filho mais velho de John Lennon atacou a imagem de seu pai. Em 2000, no 20º aniversário da morte do ex-Beatle, Julian afirmou que ele "podia falar de paz e amor ao mundo, mas nunca os mostrou para as pessoas mais próximas".

No entanto, desde então, se reconciliou com Yoko Ono, a segunda esposa de Lennon e a qual considerava como a ruína de sua família.

Julian também agradece a Paul McCartney por ter escrito a música "Hey Jude", dedicada a ele em seu quinto aniversário, por causa do divórcio de seus pais, e diz que só soube que era o protagonista da letra da canção com 15 anos de idade, quando sua mãe lhe contou isso.

"A música me fez entender que eu não era o único que estava fora do lugar. Meu pai perdeu sua mãe duas vezes, aos 5 anos, quando ela o deixou, e aos 17, quando ela morreu em um acidente de trânsito", conta Julian.

John Lennon foi casado com Cynthia Powell entre 1962 a 1968. Julian é o único filho do casal e nasceu em 1963.

Lennon se divorciou de Powell em 1968, quando conheceu a artista japonesa Yoko Ono, com quem se casou um ano depois e teve outro filho, Sean, também cantor.

    Leia tudo sobre: john lennonjulian lennon

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG