EMI vai lançar músicas inéditas do Pink Floyd

Faixas integram programação de lançamentos que inclui reedição de discos clássicos da banda

iG São Paulo com agências internacionais |

Divulgação
O Pink Floyd
A EMI vai lançar a partir de setembro canções do Pink Floyd nunca antes ouvidas, anunciou nesta terça-feira a gravadora da banda de rock inglesa.

As faixas serão tiradas dos arquivos e integrarão uma programação de lançamentos que se estenderá por vários meses e incluirá conjuntos de CDs para colecionadores e gravações de estúdio remasterizadas.

É a mais completa reedição da obra do grupo, e estará disponível em todos os formatos digitais (CD, DVD, Blu-Ray e Super Audio CD) e para iPhone no final de setembro deste ano. Os lançamentos terão o título "Why Pink Floyd?" e trarão ainda filmes restaurados de shows e uma gravação da lendária atuação de "The Dark Side of the Moon", no estádio Wembley, em 1974

O primeiro lançamento estará disponível no dia 26 de setembro de 2011 e no dia 7 de novembro começará a segunda fase do projeto, centrado no álbum "Wish you Were here".

"Trabalhamos juntos por mais de um ano sobre esse programa, que incorpora todos os elementos que fizeram do Pink Floyd uma das forças mais inspiradoras da música moderna", disse em comunicado à imprensa Roger Faxon, executivo-chefe da EMI.

O anúncio foi feito quatro meses depois de a banda e a gravadora, que têm uma parceria de longa data, terem anunciado um novo contrato válido por cinco anos e o encerramento de sua disputa judicial.

O Pink Floyd, que assinou contrato com a EMI há mais de 40 anos, é famoso principalmente por seus álbuns influentes e aclamados "The Dark Side of the Moon", "Wish You Were Here" e "The Wall".

De acordo com a EMI, a banda já vendeu mais

de 200 milhões de álbuns em todo o mundo. Apenas nos Estados Unidos, "The Dark Side of the Moon", de 1973, vendeu 45 milhões de álbuns, o terceiro maior álbum da história do país em matéria de vendas.

No ano passado o Pink Floyd e a EMI se envolveram em uma batalha na Justiça sobre o direito da gravadora de "decompor" seus álbuns e vender faixas individuais online.

    Leia tudo sobre: Pink Floydmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG