Cantora vai fazer nesta semana dois shows em Tel Aviv

A estrela da música pop Madonna visitou na madrugada de domingo para segunda-feira o Muro das Lamentações, o local mais sagrado do judaísmo na Cidade Antiga de Jerusalém.

Madonna desembarcou no domingo em Israel, onde vai fazer dois shows, terça-feira e quarta-feira, no parque Hayarkon de Tel Aviv para 100.000 pessoas. Apesar das precauções adotadas para evitar os paparazzi, a cantora foi flagrada quando seguiu para o Muro das Lamentações acompanhada por vários seguranças. Ela passou uma hora no local antes de retornar a Tel Aviv.

Madonna se encontrará nesta segunda-feira com a líder da oposição, a ex-ministra das Relações Exteriores Tzipi Livni, e na sexta-feira com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Adepta da Cábala, ela também deve participar em um congresso sobre esta corrente judaica, acompanhada pelos atores Ashton Kutcher e Demi Moore. A presença do cantor Justin Timberlake também é motivo de especulação da imprensa.

Madonna adotou o nome hebraico de Esther em 2004, ano em que participou de um retiro místico de alguns dias consagrado à Cábala em Israel.

Do ponto de vista do judaísmo ortodoxo, a conduta da cantora é praticamente um sacrilégio.

Ela não se converteu ao judaísmo e mesmo que o fizesse, a tradição negaria à artista o direito de estudar a Cábala, que só é concedido aos homens casados de mais de 40 anos que estudaram durante anos o Talmude, a base da legislação religiosa do judaísmo.

A Cábala, cujo principal texto, o Libro do Zohar ("Esplendor" em hebraico), redigido no século XIII na Espanha, tem fama de deixar loucos os que entram em seus mistérios sem uma formação prévia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.