Diana Krall fala sobre disco de jazz brasileiro

Diana Krall descreve seu novo álbum como íntimo, sensual e erótico.

AP |

Acordo Ortográfico

Não sou mais aquela garota tímida que cantava Peel Me A Grape. Eu adoro essa canção, mas ela não é mais para mim, disse Diana, 43 anos, em uma entrevista cedida em sua casa em Vancouver, Canadá, na semana passada. Acho que é porque me sinto mais mulher e vejo este novo álbum como uma carta de amor, mas com um lado mais sensual, mais erótico. Sem dúvida a cena se passa tarde da noite.

O álbum Quiet Nights , com lançamento previsto para 31 de março, é seu primeiro trabalho com material inédito em três anos. Conhecida também por sua beleza, a vocalista e pianista de jazz é casada com Elvis Costello e mãe de gêmeos. Os garotos completaram dois anos no dia 6 de dezembro. Diana afirmou que nunca se sentiu tão feliz como agora - e o novo álbum reflete isso.

As dez faixas incluem baladas, três canções da lenda da bossa nova Antônio Carlos Jobim além de alguns clássicos como Walk On By, de Burt Bacharach.

Esta foi a melhor experiência em termos de gravação que já tive, disse Diana, que sentiu inspiração para fazer o novo álbum depois de uma viagem ao Brasil no ano passado.

Ganhadora do Grammy por duas vezes, Diana está cercada de rostos familiares em Quiet Nights . Além de seu quarteto de longa data e do produtor Tommy LiPuma, com quem trabalhou em seus nove álbuns anteriores, ela tem de volta o arranjador Claus Ogerman. Seu último trabalho com Diana foi em 2001, no CD The Look Of Love .

Ogerman foi o arranjador de diversas gravações da primeira leva da bossa nova, nos anos sessenta. Ele trabalhou com Jobim, Frank Sinatra, Stan Getz e Bill Evans. Praticamente aposentado, o arranjador voltou à ativa para trabalhar com Diana.

LiPuma, que trabalhou com Diana pela primeira vez em 1994, disse que o álbum mostra o quanto ela amadureceu com cantora.

Sua percepção e abordagem dos solfejos vocais é muito mais como instrumentista do que como cantora, disse LiPuma. A maneira que interpreta as letras e o timbre de sua voz com muito mais sentimento, lembram Peggy Lee em sua fase mais madura.

Além de Quiet Nights , Diana também está produzindo um novo álbum de Barbra Streisand, que deve estar pronto em Janeiro para ser lançado ao longo de 2009. Ela pretende rodar a América do Norte em turnê após o lançamento de Quiet Nights .

Acho que atingi a melhor época de minha vida, disse Diana. Passei por momentos difíceis com a morte de minha mãe (em 2002)... mas agora tenho minha família, estou trabalhando mais do que nunca, porém sinto que agora tenho tudo.

Leia mais sobre Diana Krall

    Leia tudo sobre: diana krall

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG