Depeche Mode mantém força em novo disco

Banda lançou trabalho mais eletrônico em 20 anos, Sounds of the Universe

AP |

Por baixo do visual sombrio e sinistro, os integrantes do Depeche Mode insistem que, na verdade, são engraçados e despreocupados. Nunca entendi direito essa descrição, confessou Dade Gahan, líder da banda, em uma recente entrevista. Eu até entendo que somos dark, mas sempre teve um lado de humor nisso. É um sarcasmo cínico a respeito de si mesmo.

Gahan e seus companheiros ¿ o guitarrista Martin Gore e o tecladista Andy Fletcher ¿ passaram quase 30 anos extraindo um humor negro sutil de suas canções, que conjugam submissão e domínio, amor e ódio, esperança e arrependimento.

E eles sabem bem como se divertir às próprias custas: basta dar uma olhada no videoclipe de 1997 do sucesso "Its No Good", que faz uma sátira bem humorada do grupo, retratando-os como uma banda de baile cuja fama já passou.

Acho que as pessoas às vezes não enxergam alguns aspectos cômicos em nossa música, disse Gore, com sua fala mansa. Parece que elas passam tempo demais pensando no que exatamente estamos tentando fazer e qual é o sentido exato de cada coisa.

Porém, ninguém pode negar que o Depeche Mode ¿ cuja tradução aproximada do francês poderia ser modo rápido ¿ vem talhando sua carreira, aparentemente interminável, ao vasculhar as águas mais escuras da emoção humana, algo que serviu para atrair legiões de fãs vestidos de preto pelo mundo afora.

Por fora o Depeche Mode parece muito sombrio e sinistro, mas, às vezes isso parece ser tão forçado que acaba quase se transformando em uma piada interna, comentou o jornalista musical Alan Light.  Mesmo que, para alguns de seus fãs, seja exatamente esse aspecto sombrio e sinistro que os atrai para a banda.

Gahan, Gore e Fletcher continuam despertando forte atração nestes fãs. Nesta semana a banda lançou seu 12º álbum de estúdio, Sounds of the Universe , o trabalho mais eletrônico do Depeche Mode dos últimos 20 anos.

Utilizando baterias eletrônicas e teclados analógicos vintage, o trio inglês recria o som que fazia na década de 80 ¿ evocando ainda um clima futurista e espacial ¿ enquanto as letras continuam dando vazão a suas obsessões de longa data: os elementos sado-masoquistas presentes nos relacionamentos e na fé.

Diferente de muitos grupos de electro - que foram inovadores no uso da tecnologia, porém incapazes de traduzir isso em canções consistentes - o Depeche Mode soa como escritores autênticos, que por acaso usavam esse som como sua tela, diz Light.

Na lenta "In Chains", Gahan suspira por uma mulher que ele sabe que não é boa para ele, mas a quem ele não consegue resistir: Eu sei que você sabia no dia em que você nasceu/ Eu sei que eu deveria ter sido avisado de alguma maneira/ Eu sei que eu caminho acorrentado da meia-noite até o amanhecer .

Outros destaques incluem as faixas "Fragile Tension" e "Corrupt", além de "Hole to Feed" e "Come Back", escritas por Gahan. Mas a verdadeira jóia do álbum é o single "Wrong", cujo refrão explícito faz da faixa a música mais revolucionária do Depeche Mode desde "Personal Jesus".

('Wrong') não era a escolha mais óbvia. Não acho que a escolhemos (para ser o single) porque sentimos que seria a melhor música. Nós a escolhemos porque pensamos que essa é a música mais inovadora que já escrevemos, desafiando o som do Depeche Mode, afirmou Gahan.

Com seus integrantes chegando na casa dos 50 anos, o novo material se mantém como foco da banda. Nós desistiríamos se soubéssemos que as pessoas só viriam ver nossos shows para ouvir músicas que gravamos há 20 anos, disse Gore.

Atingir novos fãs e manter um som atual é um desafio para qualquer artista ¿ especialmente para aqueles que lidam com um gênero musical flutuante, que é o caso da música eletrônica. Acho que uma das coisas que nos faz continuar é tentar escrever aquela canção perfeita e sentir que você ainda não chegou lá, confessou Gahan. É um longo caminho. O que quero dizer e que nós sobrevivemos por quase três décadas... o que é bem assustador.

Longevidade certamente não era algo que passava pela cabeça deles no começo dos anos 80. É fantástico que sejamos tão relevantes, que nos apresentemos para grandes multidões e que haja tanto interesse em nossos novos discos, disse Fletcher. Certamente não esperávamos por isso quando começamos. Esperávamos que a banda durasse por apenas alguns anos.

Considerando um começo de carreira que pode ser chamado de tumultuado ¿ os críticos da época atacaram, impiedosamente, o hit da banda de 1981, "Just Cant Get Enough" ¿ e os tropeços, incluindo a batalha pública de Gahan contra as drogas (ele está limpo há anos) além das mudanças na formação da banda ao longo dos anos, o status icônico que eles acabaram adquirindo em todo o mundo é realmente marcante.

Quando você faz música por algumas décadas, começa a perceber que tem que criar seu próprio caminho, explica Gahan. Basta você fazer do seu jeito. E, de vez em quando ¿ isso certamente aconteceu com a gente ¿ você volta à moda, ele ri.

    Leia tudo sobre: depeche mode

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG