De Faith No More a Cher: dez razões para não acreditar em shows de despedida

Veja exemplos de artistas que deram adeus aos palcos e depois mudaram de ideia

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Getty Images
Cher: volta aos palcos apenas três anos após despedida
Uma das principais atrações do festival SWU, que acontece em novembro em Paulínia, interior de São Paulo, é a banda Faith no More . O detalhe curioso é que a banda estava parada desde o final do ano passado, quando tocou no Chile. Na época, foi anunciado que aquele seria não apenas o último show da turnê, mas o último da carreira do grupo.

O Faith No More quebrou a promessa de parar com as turnês, mas não foi o primeiro a fazer isso. A música pop está cheia de falsas despedidas.

Basta lembrar o caso da cantora Cher, que fez uma turnê de despedida de três anos – sim, três anos – de duração e, após outros três anos, já estava de volta aos palcos.

Siga o iG Cultura no Twitter

O exemplo mais recente é o grupo norueguês A-ha. A banda fez uma turnê mundial no ano passado, anunciando o final da carreira, e o que deveria ser o seu último show virou um CD e DVD ao vivo. Mas, no último domingo (21), o trio se reuniu novamente. Se o grupo não manteve a palavra, teve uma desculpa nobre: a performance foi uma homenagem às vítimas do atentado terrorista de Oslo, que deixou 77 mortos.

Justificativas à parte, as turnês de despedida são uma instituição tão desacreditada que viraram até motivo de piada. Phil Collins, por exemplo, batizou o seu adeus aos palcos de "The First Final Farewell Tour" (algo como "A Primeira Turnê de Despedida Definitiva"). Já o Eagles nomeou a sua de "Farewell 1" ("Despedida 1") porque, fatalmente, haveria uma segunda.

Atualmente, quem promete se aposentar das apresentações ao vivo é o Judas Priest . A veterana banda passa pelo Brasil no início de setembro, e garante que o adeus aos palcos é para valer. Será mesmo? Veja abaixo dez casos de despedidas que de despedidas não tiveram nada.

Tricia Vieira
Faith No More
Faith No More
Em dezembro do ano passado, o Faith No More se apresentou em Santiago, no Chile. Oficialmente, aquele era o último show da turnê de reunião da banda, que estava separada desde o final dos anos 1990. E, como o grupo não dava qualquer indício de que pretendia gravar um novo disco, muitos acreditavam que aquela seria a despedida do Faith No More. Mas, menos um ano depois, o grupo está de volta: é uma das atrações do SWU.

A-ha
No final de 2009, o A-ha anunciou que iria fazer uma turnê de despedida no ano seguinte. A banda norueguesa então se apresentou ao redor do mundo, inclusive no Brasil, no que seria o seu adeus definitivo. A performance final aconteceu na Noruega, em dezembro de 2010, e virou um CD e um DVD ao vivo. Quando parecia que tudo estava terminado, o A-ha voltou aos palcos neste mês.

The Who
Acredite se quiser: a turnê de despedida do The Who aconteceu há quase 30 anos. Mas o grupo de Pete Townshend e Roger Daltrey continua na ativa até hoje. Tanto que pretende fazer uma série de shows no ano que vem para tocar o disco "Quadrophenia" na íntegra. Mas, em 1982, todos acreditaram que a banda ia se aposentar de verdade, e a sua "farewell tour" foi um grande sucesso de público. Em 1989, o grupo decidiu voltar aos palcos para outra série de shows – e nunca mais falou em despedida.

Cher
O adeus aos palcos de Cher durou impressionantes três anos, de 14 de junho de 2002 a 30 de abril de 2005. Foi a turnê de maior sucesso da carreira da cantora: mais de três milhões de espectadores e um lucro de cerca de US$ 250 milhões (R$ 400 milhões). Mas passar três anos se despedindo não foi suficiente para Cher e, em 2008, ela anunciou sua volta aos palcos: assinou um contrato de US$ 60 milhões (R$ 96 mi) para fazer mais de 200 shows no cassino Caesars Palace, em Las Vegas.

Getty Images
David Bowie
David Bowie
Em 1973, David Bowie anunciou, durante uma performance em Londres, que aquele era "seu último show" – como a apresentação foi filmada, a frase foi imortalizada no filme "Ziggy Stardust and the Spiders from Mars". Poucos dias depois, ele explicou que apenas estava dizendo adeus ao personagem Ziggy Stardust, que ele encarnava na época. Em 1990, Bowie aprontou outra: disse que tocaria seus maiores sucessos pela última vez na turnê "Sound + Vision". Mas, em 1995, já estava interpretando seus hits antigos de novo.

The Smashing Pumpkins
Em dezembro de 2000, o Smashing Pumpkins fez um show de quatro horas em Chicago para marcar o fim da banda. Teria sido uma despedida e tanto se o vocalista Billy Corgan não resolvesse retomar o grupo alguns anos depois, após o fracasso de sua nova banda, o Zwan, e de seu disco solo. A reunião rendeu um álbum ("Tarantula", de 2007) e uma série de músicas lançadas na internet. Da banda original, no entanto, o único remanescente é Corgan.

Tina Turner
A primeira turnê de despedida de Tina Turner aconteceu em 1990. Mas as apresentações fizeram tanto sucesso que, já no final da série de shows, a cantora dava mostras de que não demoraria muito para voltar aos palcos. "Não quero fechar a porta definitivamente", disse na época. Em 1993, ela já estava de volta e, em 1999, anunciou outra turnê de despedida. Dessa vez, pareceu que era para valer. Mas, em 2008, Tina decidiu voltar à ativa mais uma vez.

AE
B.B. King
B.B. King
Quando completou 80 anos, em 2006, o bluesman B.B. King anunciou sua despedida dos palcos. Dada a sua idade avançada, a maioria acreditou que ele falava sério. Não era o caso: em 2007, ele já tinha voltado a fazer shows. E continua fazendo até hoje: em junho, foi uma das atrações do festival inglês Glastonbury. E, prestes a fazer 86 anos, não dá a menor indicação que vá se aposentar.

Kiss
A banda mais marqueteira da história do rock não poderia faltar numa lista de falsas despedidas. O prometido adeus de Gene Simmons, Paul Stanley e companhia aconteceu entre 2000 e 2001 – mas em 2003 a banda já se reunia novamente. Só que sem o guitarrista Ace Frehley – no ano seguinte, foi a vez do baterista Peter Criss cair fora. Ou seja, se não foi uma despedida propriamente dita, a turnê pelo menos marcou a última vez que a formação original do Kiss tocou junta. Até agora.

Silvio Caldas
Silvio Caldas foi um dos maiores cantores da época de ouro do rádio no Brasil. Fazia tanto sucesso que ganhou o apelido de "cantor das multidões". No final dos anos 1960, decidiu se aposentar. Mas, atendendo a pedidos do público, voltou para um último show. E mais um. E mais um. E mais um. A rotina se repetiu durante mais de 20 anos. Resultado: Silvio Caldas ganhou um novo apelido, o de "cantor das despedidas". A apresentação final veio apenas em 1995, quando ele tinha 87 anos.

    Leia tudo sobre: Faith no MoreA-haThe WhoCherKissDavid Bowie

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG