Cícero vira fenômeno de público com álbum gravado em casa

Cantor carioca mostra músicas de seu "Canções de Apartamento" nesta terça em São Paulo

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Divulgação
Cícero
Em janeiro deste ano, o público carioca lotou o Teatro Odisseia, na Lapa, para ver um cantor de 25 anos que havia lançado, há alguns meses, um disco gravado em sua própria casa e lançado de forma independente.

Filas na porta, plateia cantando junto de olhos fechados, ingressos na porta. As cenas são dignas de um grande astro, e se repetem na maioria dos shows que Cícero Rosa Lins - ou melhor, só Cícero - lançou seu "Canções de Apartamento".

Na metade do ano passado, o álbum foi colocado para download gratuito no site do cantor . O disco foi inteiramente gravado na residência de Cícero.

"Eu tinha acabado de sair da casa da minha mãe. Estava morando sozinho e tinha que lidar com muitas coisas. Paralelamente a isso, estava gravando umas músicas", explica o cantor, em entrevista por telefone ao iG .

As fotos da capa e do encarte também são do apartamento. "A ideia foi me expor mesmo", conta. E essa exposição não chegou a assustar? "Tive um certo medo sim. Mas foi mais um medo de não ser aceito, de as pessoas não me levarem a sério."

As canções, obviamente, têm um clima bastante intimista. Há fortes influências de bossa nova, mas misturadas com uma dose de rock. Algumas músicas também levaram Cícero a ser comparado com Los Hermanos.

Divulgação
Capa do disco "Canções de Apartamento"
"Eu fico feliz para caramba com essa comparação. Eles são uma grande influência para minha geração, não só musicalmente mas também como um exemplo de carreira. Para mim é uma honra."

Mesmo gravado em casa e lançado apenas pela internet, sem nenhuma gravadora por trás, o disco começou a fazer sucesso. E Cícero, aos poucos, foi ganhando fãs no Rio de Janeiro e no restante do Brasil.

Para ele, perceber que seu trabalho é um sucesso "é um processo diário". "A ficha está começando a cair. Quando leio algo que escreveram sobre mim, eu tenho a impressão que estão falando sobre outra pessoa, sabe?"

"Por isso os shows têm sido uma coisa muito doida. Nas apresentações ao vivo eu sinto essa reação do público diretamente", continua. Nesta terça, Cícero terá mais uma oportunidade de contato direto.

Ele canta no Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93, Pompeia), em São Paulo, a partir das 21h, dentro do projeto Prata da Casa. A entrada é gratuita - os convites podem ser retirados uma hora antes do show. Se a reação da plateia paulistana for a mesma da carioca, haverá casa cheia. "Pois é, estou mal-acostumado. Mimado mesmo", brinca. "Desde o primeiro show, em outubro do ano passado, tem sido assim."

Ele acredita que essa identificação do público acontece porque o disco trata de algo que "todo mundo sente": solidão. "A solidão é mais uma questão da socidade hoje em dia do que uma característica de personalidade", afirma. "Todo mundo está está se relacionando com essa coisa de viver numa bolha, de sentir falta de uma comunicação sincera. Não é uma coisa que só eu sinto. Todo mundo sente."

As 13 faixas de "Canções de Apartamento" podem ser baixadas gratuitamente no site oficial do Cícero . Seus próximos álbuns, quando vierem, também serão assim. "Será bacana se um dia eu assinar com uma gravadora para distribuir meu disco. Mas ele continuará disponível para baixar de graça. Isso para mim é fundamental."

Ouça abaixo a faixa "Tempo de Pipa":

    Leia tudo sobre: Cíceromúsicaentrevista

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG