Chico Buarque lança CD, pela internet, ao vivo diretamente da sua casa

Cantor apresenta músicas de seu novo trabalho e divaga sobre sua relação com o computador

Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro |

Divulgação/www.chicobastidores.com.br
Chico Buarque: somente online
Chico Buarque tem gostado da reclusão. Isso se reflete na divulgação de seu mais recente CD, “Chico”. Entre as medidas adotadas, se negou a marcar uma coletiva de imprensa. Ao invés disso, disponibilizou no site “Chico Bastidores” uma entrevista previamente gravada para os jornalistas. Na tarde desta quarta-feira, 20, o cantor fez um pocket-show apresentando por “live streaming” algumas de suas novas músicas. Tudo ao vivo, da sua casa, no Leblon, zona sul do Rio.

Ao lado de João Bosco, Chico cantou “Sinhá”, que faz parte do disco de inéditas recém-lançado. A apresentação marca o fim da campanha de divulgação do disco pela internet, em que aqueles que comprassem o álbum em pré-venda tiveram acesso a conteúdo exclusivo, como vídeos da gravação, documentários, galeria de fotos, além da oportunidade de ouvir as músicas novas em primeira mão.

A pedido dos mais de 15 mil internautas que o acompanharam ao vivo, incluindo o twitter, Chico também cantou “Nina”, acompanhado de seu violão.

Críticas na internet

O clima informal, de bate-papo, entre os músicos permitiu que Chico comentasse uma declaração recente, na qual se dizia surpreso com o fato de ouvir críticas às suas músicas na internet.

Leia também: Estratégia pioneira garante sucesso da pré-venda de CD de Chico Buarque

“Quando comecei a me interessar pela internet, percebi que falam coisas horrorosas. Não entre, porque é chato”, recomendou ele ao Bosco, respondendo com risadas. “Eu sei que não sou amado há muito tempo. Desde a primeira música. É sempre assim, uma porção de gente que vai gostar e uma porção de gente que não vai gostar. É bom deixar isso gravado aqui, porque se não amanhã sai no jornal que eu não sabia que não era amado etc etc”, continua Chico.

Em seguida comenta, com certa alegria, que sua filha chegou dia desses em casa contando que ouviu um gari cantarolando uma música sua, pouco conhecida, no calçadão da praia. “Dia desses minha filha disse que ouviu o rapaz da Comlurb cantando uma música minha. Uma nem tão conhecida assim, isso é fantástico”, afirma.

Repetições

A voz do moderador entra ao vivo e diz que o chat precisou ser interrompido devido ao grande tráfego de internautas mandando mensagens simultâneas. E pede para que Chico repita o agradecimento inicial a todos. “Mas diga a eles isso, porque podem achar que o velho está se repetindo”, brinca.

“Eu vim aqui agradecer a todos vocês que estiveram comigo durante este mês, nesta página, nestas entrevistas... Canções que foram pingando pouco a pouco, é legal isso, é moderno, mas é uma retomada do que havia antigamente. Antes havia programas musicais, a gente cantando músicas inéditas. Quando saía o disco, o público já conhecia quase todas. Mais do que aparecer com um bolo de músicas novas. Isso favorece o entendimento das canções. A gente ouve a primeira vez, tem uma favorita, troca por outra. E vai indo”, diz.

O cantor se diz surpreso com uma descoberta que fez recentemente na internet: o uso de frases, geralmente por personalidades famosas, com uma base de melodia e transformada em ringtone ou mesmo em música. “Um rapaz que é craque pega sua música, daqui a duas horas, ele já coloca uma melodia qualquer de fundo e põe a música. Tira tudo de ouvido. Achei muito engraçado”, conta. “O cara compõe a melodia em cima do que você falou. E é do cacete, é muito bom. Deve ter uma porção de coisas assim com discurso do Obama, sei lá”.

Às 16h30, pontualmente trinta minutos após o começo do “chat-show”, Chico encerra o contato. “Obrigado por tudo, pela companhia, até a próxima”, diz.

Divulgação
Chico Buarque

    Leia tudo sobre: chico buarque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG