Bob Dylan afirma que não houve censura em seu show em Pequim

Cantor escreveu carta em seu site oficial nesta sexta-feira, 13 de maio

iG São Paulo |

Bob Dylan postou um texto em seu site oficial nesta sexta-feira (13) sobre as polêmicas em torno de seu show em Pequim no dia 06 de abril. Dylan deu sua versão sobre uma possível censura aos shows, a lotação dos shows e a reação da plateia. Leia o relato do iG sobre a apresentação em Pequim .

O cantor primeiro falou primeiro sobre um suposto show seu que teria sido proibido pelo governo em 2010. Segundo Dylan, ele nunca foi contratado pelo produtor q anunciou o show, e não tinha intenção de tocar na China à época. "Suponho que o homem tenha impresso ingressos, anunciado o show e, quando ficou claro que não aconteceria, ele culpou o governo chinês para livrar sua cara", disse Dylan. "Se alguém tivesse checado a informação com as autoridades chinesas, saberia que elas não sabiam de nada." De acordo com Dylan, o show de 06 de abril foi negociado com outro produtor.

Sobre o público do show, Dylan disse que foram vendidos 12 mil dos 13 mil ingressos disponíveis, e que os restantes teriam sido doados a orfanatos. De acordo com o cantor, a maior parte do público era de jovens chineses que "responderam muito bem às músicas dos meus últimos 4, 5 discos". "Fui tratado pela imprensa como um ícone dos anos 60, havia fotos minhas pelo local ao lado de Joan Baez, Che Guevara, Jack Kerouc e Allen Ginsberg", escreveu Dylan. "O público parecia não saber nada sobre nenhum deles."

Sobre censura, Dylan confirmou que o governo chinês pediu para ver a relação das músicas que ele iria tocar. "Como não há uma resposta lógica, mandamos a eles os setlists dos três meses anteriores", comentou. A atitude deve ser tomada por artistas estrangeiros desde que Bjork falou a favor da independência do Tibete em um show em Shanghai em 2008. Dylan continuou: "se houve qualquer música ou versos censurados, ninguém me falou nada. Tocamos todas músicas que queríamos."

Dylan aproveitou a carta para alfinetar o lançamento de alguns livros sobre sua carreira nos próximos tempos. "Encorajo a todos que tenham me conhecido, me ouvido ou só me visto a escreverem seu próprio livro. Nunca se sabe, pode sair uma grande publicação daí". Recentemente Dylan assinou um contrato para escrever seis livros, e espera-se que ele dê continuidade a "Crônicas: Volume 1", publicado em 2004.

    Leia tudo sobre: bob dylanchina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG