Beyoncé canta diante de 60 mil pessoas no Morumbi

Cantora norte-americana ainda se apresenta no Rio de Janeiro e em Salvador

Augusto Gomes, iG São Paulo |

AE
Beyoncé durante o show no Morumbi: "Este provavelmente é meu maior show", diz cantora
"Este provavelmente é meu maior show". A frase foi dita por Beyoncé logo no início de sua apresentação no Estádio do Morumbi, em São Paulo. O público realmente era impressionante - segundo informações da organização, 60 mil pessoas estavam no local. A cantora estava visivelmente emocionada não apenas com a quantidade de gente, mas também com a devoção de todas as pessoas presentes por ela. E foi essa emoção, tanto dela quanto da plateia, a responsável por bons momentos de uma performance que, na maior parte do tempo, foi burocrática.

A maior prova que a noite foi especial para Beyoncé foi sua decisão de cantar uma música não prevista no repertório inicial. Seu show, como qualquer grande produção pop, é ensaiado do começo ao fim: canções, coreografias e figurinos costumam ser os mesmos em todas as apresentações da turnê, sem espaço para improvisos. Pois no show desse sábado, Beyoncé resolveu mudar o roteiro: interpretou a canção "Listen", da trilha do musical "Dreamgirls". Como a banda não tinha nada ensaiado, ela cantou a capella mesmo. E muito bem.

No restante da noite, o repertório foi seguido à risca. O show começou em alta temperatura, com Beyoncé surgindo num maiô brilhante e cantando sucessos como "Crazy in Love" e "Naughty Girl". Este início prometia uma grande performance pop, mas logo depois da primeira das inúmeras trocas de roupa a apresentação esfriou. Culpa do excesso de baladas, que dispersaram a atenção do público (as poucas exceções foram a dramática "Broken Hearted Girl" e o medley de "If I Were a Boy" com "You Oughtta Know", de Alanis Morissette).

Outro problema foi o excesso de interrupções. Como boa diva que é, Beyoncé troca de roupas em diversos momentos - dez no total. Na maior parte deles, a troca é rápida. Mas, em outros, a coisa se alonga, e o tempo tem que ser preenchido com outras atrações. Ora são videoclipes no telão, ora são os dançarinos, ora é a banda (a excelente Suga Mama, formada só por mulheres) a responsável por distrair o público enquanto a cantora está nos bastidores. Nenhuma das interrupções chega a ser exatamente ruim, mas o conjunto delas é cansativo.

A coisa só melhorou quando Beyoncé deixou o palco principal e caminhou para o palco secundário, montado no meio do Morumbi. Lá, ela ficou mais próxima do público e deixou a emoção correr solta ("Listen" veio nesse momento). E ali, cara a cara com a plateia, também cantou músicas do Destiny's Child, grupo que a revelou no final dos anos 1990. No meio desse bloco, ela trocou algumas palavras com um fã. Perguntou o nome dele ("Samir", foi a resposta), pediu que ele dissesse o dela ("Beyoncé girl", ele berrou), e então cantou "Say My Name".

O número, obviamente, fazia parte do roteiro, tanto que esteve presente em outros shows. Mas isso não impediu que a cantora se divertisse de verdade com esse contato com a plateia. Tanto que ela alongou bastante os pedidos de palmas e mãos para o ar, e não teve a menor vergonha de abaixar o microfone e deixar o público cantar por ela na balada "Irreplaceable". Faltava pouco para a má impressão do meio do show ser definitivamente esquecida, já que Beyoncé havia guardado seu maior trunfo para o final.

A cantora deixou o palco secundário e desapareceu novamente, para mais uma troca de roupa. Enquanto isso, o telão começava a mostrar diversos vídeos caseiros de pessoas usando maiôs pretos e dançando a mesma coreografia. "Single Ladies", é claro, estava a caminho. A palavra apoteótica pode ser usada sem medo para definir a hora em que Beyoncé começou a cantar seu maior sucesso. "Single Ladies", afinal de contas, já é muito mais que um simples hit: passou para a categoria de fenômeno popular. E foi como fenômeno que é que a música foi recebida no Morumbi.

A cantora ainda voltaria ao palco para o bis, com a balada "Halo". Mas o que valeu a noite foi mesmo "Single Ladies", junto com o grande início com "Crazy in Love" e a emoção de Beyoncé ao se aproximar da plateia no bloco do palco secundário. Daí conclui-se que, quanto mais deixa a influência de Tina Turner aflorar, melhor Beyoncé fica. Sempre que a cantora é mais intensa (em outras palavras, sempre que ela deixa as baladas melosas de lado), é a poderosa figura de Tina que paira sobre o palco.

A turnê de Beyoncé pelo Brasil continua neste domingo, no Rio de Janeiro, com ingressos já esgotados. Na segunda-feira, ela volta a se apresentar no Rio. Na quarta-feira, encerra a série de shows com uma performance em Salvador.

Rio de Janeiro
Data: 07 ( esgotado ) e 08 de fevereiro (segunda-feira)
Local: HSBC Arena
Horário: 21h
Ingressos: R$ 120 (meia cadeira 3) e R$ 750 (inteira pista vip)
Estudantes, menores de 21 anos e maiores de 65 anos pagam meia
Venda: http://www.livepass.com.br  e 4003 1527

Salvador
Data: 10 de fevereiro (quarta-feira)
Local: Parque de Exposições de Salvador
Horários: 21h (Ivete Sangalo) e 23h (Beyoncé)
Ingressos promocionais: R$ 60 (pista) a R$ 300 (camarote)
Estudantes, aposentados e maiores de 65 anos pagam meia
Vendas: http://www.livepass.com.br e 4003 1527

    Leia tudo sobre: beyoncé

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG