As dez histórias mais impressionantes de Ozzy Osbourne

Cantor está em turnê pelo Brasil; neste sábado, ele se apresenta em São Paulo

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Getty Images
Ozzy Osbourne
Cabeças de morcegos e pombas arrancadas. Décadas de abuso de álcool e drogas. Processos por agressão e incentivo ao suicídio. As histórias que cercam o cantor Ozzy Osbourne são tão impressionantes quanto sua música. E a maior parte, de acordo com o próprio cantor, é verdadeira. Em sua autobiografia "Eu Sou Ozzy", lançada no final do ano passado no Brasil, ele fala sem pudores (e com uma boa dose de humor negro) sobre vários desses acontecimentos. E garante: é verdade que mordeu a cabeça de um morcego durante um show.

O cantor iniciou na quarta-feira (30 de maçor) sua turnê pelo Brasil. O primeiro show aconteceu em Porto Alegre, no Gigantinho . Ozzy continua a série em São Paulo (Arena Anhembi, sábado, 02/04), Brasília (Ginásio Nilson Nelson, terça, 05/04), Rio de Janeiro (Citibank Hall, quinta, 07/04) e Belo Horizonte (Mineirinho, sábado, 09/04). É a primeira vez que o músico de 62 anos vem ao Brasil desde 2008. Os shows promovem o disco "Scream", lançado no ano passado. Ainda há ingressos para todas as cinco apresentações.

Veja abaixo uma relação das dez histórias mais impressionantes envolvendo o príncipe das trevas Ozzy Osbourne, contadas no livro "Eu Sou Ozzy":

Getty Images
Ozzy Osbourne nos anos 1970, quando integrava o Black Sabbath
O morcego
A lenda mais famosa ligada a Ozzy Osbourne é que ele teria mordido cabeça de um morcego vivo durante um show. Pois bem: não é lenda. Segundo o próprio cantor conta em sua autobiografia, o fato aconteceu em janeiro de 1982 durante um show em Des Moines, Iowa. Em sua defesa, Ozzy diz que achou que o animal era de plástico e o mordeu porque achou que isso iria impressionar a plateia. Quando sentiu o sangue inundando sua boca, percebeu que era um morcego de verdade. Depois do incidente, ele teve que tomar algumas doses de vacina anti-rábica.

A pomba
A história que Ozzy Osbourne teria arrancado a dentadas a cabeça de uma pomba durante uma reunião com executivos da indústria fonográfica também é verdadeira. O fato aconteceu em 1981, em Los Angeles. Ozzy estava reunido com diretores de sua gravadora, negociando um novo contrato. Sob sugestão de sua esposa, Sharon, ele levava duas pombas do bolso do casaco, para soltá-las como forma de celebrar um possível acordo. Quando as coisas não saíram conforme o esperado, ele decapitou uma delas com uma mordida e cuspiu a cabeça no colo de uma secretária.

O Álamo
Ozzy Osbourne tornou-se persona non grata no Texas depois que urinou no muro do Alamo, um dos mais importantes monumentos históricos dos Estados Unidos. De acordo com o livro "Eu Sou Ozzy", tudo aconteceu assim: ele acordou num quarto de hotel e todas as suas roupas haviam sido escondidas por sua mulher Sharon, para impedir que ele saísse em busca de bebidas. O cantor então pegou um vestido da esposa e foi para a rua. Quando sentiu vontade de urinar, virou-se para o primeiro muro que encontrou - era o forte Alamo. Um policial viu e o deteve.

O Rock in Rio
A autobiografia de Ozzy Osbourne tem algumas linhas dedicadas ao Brasil. Não é muita coisa - apenas as suas poucas lembranças de quando veio ao país em 1985, para participar do primeiro Rock in Rio. Foi o primeiro show que o cantor fez após fazer sua estreia numa clínica de reabilitação. Não deu muito certo: ele bebeu tanto no voo para o Brasil que desmaiou no avião. Sobre o país, sua principal lembrança foi conhecer Ronald Biggs, criminoso inglês que se refugiou no Rio após assaltar um trem na Inglaterra.

A prisão
Ozzy enfrentou alguns problemas com a justiça durante a sua vida. O primeiro deles foi na adolescência, quando ele foi detido por furtar um loja de roupas. Ele poderia ter evitado a prisão se tivesse pago uma fiança. Mas seu pai se recusou a dar o dinheiro, alegando que o jovem precisava aprender uma lição. Ozzy então passou seis meses num reformatório. Ele conta que, na ocasião, prometeu ao pai nunca mais voltar para a cadeia. "Eu cumpri a promessa. Depois disso, já passei noites em distritos policiais, mas nunca na cadeia", diz.

Os processos
Em duas oportunidades (1985 e 1991), o cantor foi acusado de incentivar o suicídio, por causa de sua canção "Suicide Solution". Nas duas, ele foi absolvido. Nas páginas dedicadas ao caso de "Eu Sou Ozzy", o músico conta ter ficado perplexo com as acusações. Sua maneira de lidar com a pressão foi, mais uma vez, ficar completamente bêbado. Segundo ele, na primeira entrevista coletiva que deu para dar sua versão dos fatos ele mal conseguia entender as perguntas, tamanha era a quantidade de álcool que tinha ingerido.

Getty Images
Ozzy fazendo cara de mau, em foto de 2010
A briga
Em "Eu Sou Ozzy", o cantor garante que não consegue viver sem sua esposa, Sharon (o episódio em que ela foi diagnosticada com câncer é descrito como o mais apavorante de sua vida). Isso não impediu, no entanto, que os dois tivessem brigas terríveis. Na pior delas, em 1989, o cantor agarrou o pescoço da mulher e tentou estrangulá-la. Ela conseguiu chamar a polícia e o acusou de tentativa de assassinato. Depois os dois fizeram as pazes e ela retirou a queixa, com a condição que ele se internasse numa clínica de reabilitação.

A Aids
No meio dos anos 1980, Ozzy Osbourne achou que estava com Aids. Durante uma série de exames de rotina, seu médico surpreendeu-se com o mau estado de seu sistema imunológico e levantou a possibilidade da doença. O cantor passou alguns dias em pânico, já que na época não havia tratamento para a Aids. Quando o resultado dos testes de sangue chegou, ele descobriu que não tinha o vírus HIV. O abuso de álcool e drogas, no entanto, havia sido tão grande que seu sistema imunológico era tão frágil quanto o de um doente.

A sobrevivência
Numa vida de tantos abusos, é quase irônico que o mais perto que Ozzy Osbourne tenha chegado da morte tenha sido num acidente com um triciclo motorizado. O acidente aconteceu em 2003, quando o cantor pilotava no quintal de sua mansão. Ao passar por um buraco, o triciclo capotou. Na queda, Ozzy fraturou algumas vértebras e, segundo ele mesmo conta, correu risco real de morrer ou de perder os movimentos do pescoço para baixo. Mas ele conseguiu se recuperar rapidamente, e em 2005 já estava lançando um novo disco.

A coragem
No final de 2004, Ozzy envolveu-se em mais uma situação perigosa: brigou com um ladrão que tentava roubar sua casa em Londres. Ele conta que não tinha a intenção de enfrentar o criminoso. A história aconteceu assim: o cantor acordou por causa de um barulho em sua mansão, foi investigar o que estava acontecendo e então deparou-se com o ladrão. Depois de uma briga rápida, ele conseguiu fugir por uma janela, levando jóias e outros objetos de valor. O criminoso nunca foi encontrado.

Ozzy Osbourne - São Paulo

2 de abril de 2011, às 21h30
Arena Anhembi (av. Olavo Fontoura, 12.09, Santana)
de R$ 200 a R$ 600
informações: 11-4003-6464

    Leia tudo sobre: Ozzy Osbourne

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG