Arctic Monkeys encerra Lollapalooza com status de banda grande

Público curtiu sucessos dos primeiros discos dos britânicos; festival em São Paulo teve 60 mil pessoas no segundo dia

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Os cincos anos que separam a última apresentação que o Arctic Monkeys havia feito no Brasil daquela que a banda britânica fez no encerramento do Lollapalooza, em São Paulo, na noite deste domingo (07), mostram o quanto seu público cresceu. Da empolgação debaixo da chuva fraca às centenas de camisetas, era claro que o rock do grupo é muito mais conhecido e querido no país.

Lollapalooza em imagens: veja fotos do segundo dia do festival

Foo Fighters, Joan Jett, O Rappa e companhia na galeria do sábado

Naquela época, tinham apenas dois discos lançados – "Whatever People Say I Am, That's What I'm Not" (2006) e "Favourite Worst Nightmare" (2007) –, embora sejam estes os grandes preferidos dos fãs. Quando "Teddy Picker", "Brianstorm" e "The View From the Afternoon", por exemplo, apareceram, a comemoração foi farta.

Claudio Augusto
O vocalista do Arctic Monkeys, Alex Turner, no encerramento do segundo dia do Lollapalooza Brasil
Calado da outra vez, o vocalista e guitarrista Alex Turner voltou mais falante ao Brasil, enquanto o resto dos macacos segue silenciosos. "Bom estar de volta, pessoal", disse ele, com um mocaino moldado por gel, cara de mau e uma jaqueta de couro.

Siga o iG Cultura no Twitter

Turner é um bom exemplo de como o grupo amadureceu nesse meio tempo. De 2007 para cá, o garoto de 20 anos fez mais dois discos com o Arctic Monkeys ("Humbug", de 2009, e "Suck It and See", do ano passado), passou por um projeto paralelo (The Last Shadow Puppets) e gravou uma trilha sonora.

Claudio Augusto
Arctic Monkeys no show no Jockey de São Paulo
O som da banda, como consequência, também mudou. O rock britânico cru e urgente começou a agregar guitarras mod, seguir a escola Noel Gallagher de composição e a objetividade do Queens of the Stone Age. Às vezes dá certo, como com "Don't Sit Down 'Cause I've Moved Your Chair", a primeira do show, e a baladona "Suck It See", mas não raro as canções caem numa homogeneidade incômoda – uma reclamação constante é que todas as músicas do Arctic Monkeys são parecidas.

Por isso não surpreende que o sucesso fique por conta das músicas antigas. A comoção causada por "I Bet You Look Good on the Dancefloor", hit de quando a banda ainda não passava de um fenômeno de internet, e pela belíssima introdução de "If You Were There, Beware", comprovam esse poder. O que não quer dizer o Arctic Monkeys tenha caicfe para ser o headliner de um festival.

Veja abaixo a lista de músicas do Arctic Monkeus em São Paulo.

"Don't Sit Down 'Cause I've Moved Your Chair"
"Teddy Picker""Crying Lightning"
"The Hellcat Spangled Shalalala"
"Library Pictures"
"Brianstorm"
"The View From the Afternoon"
"I Bet You Look Good on the Dancefloor"
"Brick by Brick"
"This House Is a Circus"
"Still Take You Home"
"Evil Twin"
"Pretty Visitors"
"If You Were There, Beware"
"Suck It and See"
"Do Me a Favour"
"R U Mine?"
Bis
"Fluorescent Adolescent"
"505"

Público de domingo foi 20% menor

Segundo a organização, o público total do segundo dia do Lollapalooza foi de 60 mil pessoas, 15 mil a menos que no sábado. Com a queda, diminuiram também as filas para comprar comida e bebida e para entrar no Jockey Club.

Assim como aconteceu no sábado, os shows da tarde, como os de Gogol Bordello e Friendly Fires , aconteceram debaixo de forte calor. Mas, assim que caiu a noite, caiu também uma chuva sobre o festival.

As nuvens negras e os raios davam a impressão que cairia um forte temporal, mas no final das contas a chuva foi fraca e não chegou a prejudicar nenhuma das performances da noite.

Foo Fighters, Joan Jett, O Rappa e companhia na galeria do sábado

Lollapalooza em imagens: veja fotos do segundo dia do festival

    Leia tudo sobre: arctic monkeysalex turnerlollapaloozafestival

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG