Anos de John Lennon em NY ganham exposição

Yoko Ono coloca até roupas cobertas de sangue em galeria de arte

EFE/Redação iG Música |

Os anos que John Lennon passou em Nova York e os eventos políticos em que se envolveu, assim como alguns de seus objetos pessoais e outros relacionados à música, foram reunidos por sua viúva, Yoko Ono, e pelo museu do Rock and Roll na cidade em uma exposição que começa hoje.

"Cada aspecto da vida de John em Nova York está representado pela primeira vez. John era músico, artista, ativista pacífico, pai e marido, e Nova York foi a cidade que lhe deu as bases e a liberdade para ser tudo isso", destacou hoje Yoko Ono, em coletiva de imprensa.

Nas salas do famoso museu nova-iorquino será possível ver desde os famosos óculos redondos do ex-beatle, que ele usava no dia de seu assassinato (8 de dezembro de 1980), até uma camiseta branca da cidade de Nova York.

A exposição, intitulada "John Lennon: Os anos em Nova York", é aberta a partir de hoje ao público e poderá ser visitada até o fim do ano, embora seus organizadores não descartem que possa se tornar permanente.

Lennon (1940-1980) chegou à cidade em 1971 e, um ano mais tarde, deu seu maior show solo no emblemático Madison Square Garden, que ficou registrado no álbum "Live in New York City".

A letra da canção que dá nome ao disco, junto com o violão que tocou em sua última atuação pública nesse mesmo palco acompanhado de Elton John, em 1974, faz parte também da mostra.

"John era apaixonado pela cidade e quando se está apaixonado se esquece que existe um passado", disse Ono, que afirmou que, "de certo modo, deve ter sido duro para John ser o único beatle a viver em Nova York, longe de seus amigos".

Segundo Ono, "John era muito nova-iorquino, era uma pessoa muito inteligente e sensível, e logo após chegar à cidade sentiu que era seu lar".

A mostra captura uma época na vida de Lennon repleta de ativismo político e social contra a Guerra do Vietnã, o que chegou até a ser um argumento do Governo Richard Nixon (1969-1974) para tentar sua deportação.

As cartas de apoio que recebeu de algumas personalidades americanas do momento, assim como o cartão de residência que conseguiu no mesmo dia de seu 36º aniversário, quando também nasceu seu filho Sean, estão incluídas na exposição.

A maioria destes objetos procede do Museu do Rock and Roll de Cleveland, Ohio, e do museu que leva o nome do artista em Tóquio. A eles se somam os itens que sua mulher forneceu, alguns deles nunca antes mostrados ao público.

"Era muito importante para mim que essa exposição fosse completa e, embora tenha sido muito difícil, voltei a revirar os armários", explicou Ono, que afirmou que, ao passear pela exposição, sente muita "tristeza" pela ausência do marido.

Entre fotografias, instrumentos e vídeos do cantor, a mostra também inclui vários desenhos e pinturas de Paul McCartney, Ringo Starr e George Harrison.

"Eu teria gostado de colocar mais obras, mas queríamos manter o equilíbrio, já que não se trata de uma exposição de arte. Um dia eu gostaria de montar uma exposição só com algumas dessas obras", afirmou Ono.

O compromisso antibelicista do casal também se reflete através da lembrança das mais de 932 mil pessoas que, desde dezembro de 1980, quando Mark David Chapman atirou em Lennon, morreram por causa das armas nos EUA.

Nos anos 70, "John e eu tínhamos uma atitude um pouco reticente em relação aos museus porque destoavam da realidade. Agora estamos em uma posição em que temos que fazer todo o possível para divulgar uma mensagem pacífica, e fico feliz que esse espaço acolha uma exposição sobre uma pessoa que acreditou tanto na paz", afirmou Yoko Ono. 

Roupas ensanguentadas também são expostas

Uma bolsa com as roupas que o músico John lennon usava no momento em que foi assassinado em 1980 também será exibida na exposição.

Falando especificamente sobre as roupas cobertas de sangue, Yoko disse ter medo de ser criticada por colocá-la na galeria, peça que de acordo com a artista foi difícil de incluir.

"Eu sei que é um tipo de paradoxo triste, pois a cidade que nós amamos tanto acabou sendo o local onde ele morreu", disse a artista.

    Leia tudo sobre: john lennonyoko ono

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG