A luta desesperada de Jackson contra a insônia

Astro pop ingeria coquetel diário de sedativos e soníferos

AFP |

Os últimos dias de Michael Jackson, conforme relatados por um oficial envolvido nas investigações de sua morte, mostravam um homem numa luta desesperada contra a insônia e suplicando a seu médico que lhe desse seu coquetel diário de sedativos e soníferos.

O médico do rei do pop, o cardiologista Conrad Murray, "declarou que Jackson estava habituado aos medicamentos e que se referia a eles como seu 'leitinho'", conta o detetive da polícia de Los Angeles (LAPD), Orlando Martinez, em uma declaração sob juramento.

Segundo os resultados da necropsia revelados pelo Instituto Médico Legal de Los Angeles na semana passada, morte de Jackson foi decorrente de homicídio provocado essencialmente por intoxicação com propofol, um anestésico muito potente, e outros cinco medicamentos tarja preta, entre eles midazolam, diazepam, lidocaína, efedrina,

De acordo com a declaração de Martinez, que acompanhava o mandato de busca que permitiu à LAPD revistar o consultório do dr. Murray em Houston (Texas), Michael Jackson se debatia, pelo menos há seis semanas, entre sua insônia crônica e sua dependência de medicamentos considerados perigosos.

"Nenhum tratamento contra a insônia inclui o propofol", declarou à AFP o dr. Drew Pinsky, um psiquiatra que atende celebridades de Hollywood e apresenta o programa "Celebrity Rehab" (algo como "Desintoxicando as estrelas") num canal a cabo.

"O problema de Jackson não era insônia, era a dependência dos medicamentos", assegura Pinsky, acrescentando que "mesmo em Hollywood, é muito raro alguém conseguir esse tipo de medicamento em domicílio".

A descrição detalhada das últimas horas de Jackson pelo detetive Martinez revelam a vida pouco invejável do pop star.

Murray admitiu à polícia que começou a tratar a insônia de Jackson com propofol seis semanas antes de sua morte, com a injeção de 50 miligramas do anestésico por noite.

O médico contou ainda que tentou fazer com que seu paciente se desacostumasse da dosagem substituindo o propofol por outros medicamentos, como os sedativos Lorazepam e Midazolam.

Segundo a declaração de Martinez, na noite anterior à morte do cantor, no dia 25 de junho, Murray decidiu dar a ele um Valium a 01H30 (08H30 GMT). Como o remédio não fez efeito, resolveu administrar meia hora depois uma dose de Lorazepam.

Às 03H00 (10H00 GMT), o cantor não conseguia conciliar o sono e o médico deu então Midazolam. Mais uma vez, sem sucesso. Michael não conseguia dormir.

Por insistência do artista, Murray por fim ministrou 25 miligramas de propofol às 10h30 (18H30 GMT), duas horas antes de sua morte.

Depois da injeção de propofol, Jackson por fim conseguiu dormir e seu médico se ausentou do quarto para fazer umas ligações telefônicas. Quando voltou para ver o paciente, o cantor já não estava respirando.

Murray tentou reanimá-lo sem sucesso, chamou os empregados e providenciou a transferência de Jackson para o Hospital da Universidade da Califórnia de Los Angeles (UCLA), onde foi, por fim, declarado morto às 14H00 (21h00 GMT).

Para o doutor Jeffrey Lieberman, chefe do departamento de Psiquiatria da Universidade de Columbia, em Nova York, a reação de Jackson diante da insônia "é um padrão muito comum de um dependente de drogas que precisa de drogas muito mais fortes que superem a tolerância de seu corpo ao medicamento".

"O risco de aumentar a dose ou acrescentar outra mais potente é sempre uma overdose, e especificamente algum tipo de parada cardíaca", explicou.

"Você fica com seu sistema nervoso central tão sedado que não consegue manter suas funções vitais básicas". "Prescrever esse conjunto de drogas está além do que qualquer médico consciente poderia fazer", concluiu.

Alexandre Rocha Abreu, professor de medicina da Universidade de Miami, é mais enfático. "O Propofol não é uma droga para tratar insônia em caso algum; é extremamente perigosa e só pode ser administrada num hospital".

Os investigadores acharam oito vidros de propofol na mansão de Jackson, entre outros sedativos prescritos por Murray, pelo dermatologista Arnold Klein e outro médico, dr. Allan Metzger, que também são alvo da investigação.

    Leia tudo sobre: michael jacksonmichael jackson morte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG