Banda Real Estate mistura melodias delicadas do rock com toques de bossa nova

Por Susan Souza , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Banda vem pela primeira vez ao Brasil para apresentações em São Paulo, Porto Alegre e Rio em novembro; leia entrevista

O grupo norte-americano Real Estate chega ao Brasil pela primeira vez em novembro para três shows com realização da Balaclava Records e da Brain Productions, parceria que foi responsável pelas apresentações do canadense Mac DeMarco e dos norte-americanos do Sebadoh no primeiro semestre de 2014.

A banda Real Estate vem ao Brasil em novembro. Foto: DivulgaçãoA banda Real Estate vem ao Brasil em novembro. Foto: Divulgação

A turnê começa por São Paulo em 20 de novembro (Beco 203), chega a Porto Alegre no dia 21 (Beco 203) e termina no Rio de Janeiro, no dia 23 (Circo Voador). "É legal ter pessoas ao redor do mundo, como na América do Sul, que gostam da gente e que querem nos levar para tocar. Compartilhamos a mesma cultura por causa da nossa música", conta ao iG o guitarrista e vocalista Martin Courtney.

O disco "Atlas"

O músico fala com modéstia sobre o trabalho que faz à frente do Real Estate, fundado em 2009, em New Jersey. "Estamos tocando muito nos últimos cinco anos, temos melhores instrumentos agora. Quando comecei a banda, eu não era um guitarrista muito bom - e ainda acho que não sou -, mas consigo tocar o que preciso para a banda."

Divulgação
Capa do disco 'Atlas'

O grupo divulga o terceiro disco da carreira, "Atlas" (Domino Records), lançado em março deste ano. As melodias delicadas com traços de Yo La Tengo, Luna, Galaxie 500 e demais influências de dream pop levam ainda, por mais que não pareça óbvio, sutis referências de bossa nova.

"Muitas pessoas pensam que somos apenas uma banda de rock, e temos influências bem claras de guitarras de indie rock, mas gostamos de outros gêneros. E gostamos de música brasileira", afirma o guitarrista, mencionando o cantor e compositor Caetano Veloso como uma grande influência em sua formação musical.

"Somos fãs das músicas dele. Caetano deve ser um nome bem conhecido para os brasileiros, deve ser superfamoso por aí. Eu ouvia muita música dele quando comecei a compor as minhas primeiras canções. Temos influências que vem de toda parte e que transparecem em nossa música. Não é de propósito, mas temos essa influência sim."

Sem distração

Para gravar "Atlas", o Real Estate se recolheu no The Loft, em Chicago, estúdio da banda Wilco. "Se fosse para fazer o disco em Nova York, teríamos de pensar sobre a que horas deveríamos chegar em casa, ver a família, saber para onde os amigos iriam à noite etc. Ficaríamos pensando em outras coisas e menos focados em só fazer música."

Dentro do bem equipado The Loft, a colaboração entre Martin, Matt Mondanile (guitarra), Alex Bleeker (baixo) e Jackson Pollis (bateria) ficou ainda mais forte em comparação aos dois discos anteriores ("Real Estate", 2009 e "Days", 2011). "Estamos mais confortáveis para tocarmos juntos, está sendo cada vez mais natural. No primeiro disco era mais eu tocando todos os instrumentos. Agora é colaborativo", descreve.

Gravado no verão de 2013, a produção foi feita por Tom Shick (Sean Lennon, Low, Cibo Matto), com participação adicional do tecladista Matt Kallman (Girls). "Não tínhamos Chicago em mente, só queríamos ir para algum lugar. Nosso produtor trabalha muito com o Wilco e tem acesso ao estúdio. Foi tudo bem perfeito, adoramos gravar lá."

A cada noite um novo show

Nos últimos cinco anos, a banda tem se tornado melhor, acredita o líder. "'Atlas' é muito mais complexo e bem melhor do que o primeiro disco em composição e arranjos e as turnês ajudam a gente a aprimorar como banda e como compositores, pois são boas formas de encontrar pessoas, conversar e aprender a compor canções ainda melhores."

Para manter o frescor entre um show e outro, o grupo segue uma regra particular. "Sinceramente, não dá para inovar toda noite, mas fazemos coisas para não ficarmos entediados. Sempre mudamos o setlist, nunca tocamos as mesmas músicas em todos os shows", afirma, garantindo o compromisso de passar pelo repertório dos três discos.

Inspirações

Ainda é cedo para pensar em novas canções, mas o guitarrista conta que sempre anda com um violão à mão caso uma inspiração apareça durante as viagens. Além do crescente sucesso musical, Martin comemora a paternidade recente. "(Ser pai) não mudou a maneira como componho, mas a vida pessoal sempre influencia as letras de um jeito ou de outro. As responsabilidades nos fazem encarar a banda de uma maneira um pouco mais séria e a fazer o melhor que podemos."

Real Estate no Brasil
São Paulo, 20/11, no Beco 203 (r. Augusta, 609)
Porto Alegre, 21/11, no Beco 203 (av. Independência, 936)
Rio de Janeiro, 23/11, no Circo Voador (r. dos Arcos, s/n)
Informações sobre os ingressos serão anunciadas em breve

Leia tudo sobre: Real Estatemúsicashowigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas