Asian Dub Foundation ao iG: "Nunca nos deixamos influenciar pelas tendências"

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo apresenta-se em São Paulo nesta sexta-feira (30) e gratuitamente em cidades do interior de SP; Músico fala ao iG

"O disco novo tem muita vida, tem força. Lembro-me de ter feito uma reunião, em 1994, quando entrei no grupo, e agora já se passaram 20 anos desde aquele dia. O fato é que nós nunca nos deixamos influenciar pelas tendências do momento", diz ao iG o guitarrista Steve Chandra Savale, também conhecido como Chandrasonic, do grupo Asian Dub Foundation.

Divulgação
Asian Dub Foundation

Nesta sexta-feira (30), o grupo inglês que mistura elementos de rapcore, dub, dancehall e ragga apresenta-se em São Paulo, no Cine Joia. Conhecido por seus discursos politizados, Chandrasonic destaca o que considera ter sido fundamental para manter o grupo ativo até hoje: "Em 1998, estávamos na capa das revistas de músicas e tocamos em festivais legais, mas nada disso nos modificou."

A banda veio para uma turnê que passará pelo interior de São Paulo. No último sábado (24), tocaram em Indaiatuba como parte da programação da Virada Cultural Paulista, evento gratuito que ainda levará o grupo a se apresentar em Campinas (31/5) e Araçatuba (01/6), também de graça.

Nessa turnê, o Asian Dub Foundation mostra o mais recente disco, "The Signal and The Noise", 10º álbum da carreira, com lançamento previsto para o próximo dia 2 de junho. "Estamos empolgados, temos músicos excelentes tocando com a gente", conta sobre o novo trabalho sucessor de "A History of Now" (2011).

O ADF já veio ao Brasil em 2001 e 2005 para shows, mas Chandrasonic já esteve aqui uma outra vez. Em 2008, veio para gravar o programa de TV "Music of Resistance", que apresentava para o canal de origem árabe Al-Jazeera, na versão para o Reino Unido. Na ocasião, gravou com o grupo cultural brasileiro AfroReggae. "Foi fenomenal", relembra.

Perguntado sobre a realização da Copa do Mundo no Brasil e os consequentes protestos contra o evento, Chandrasonic faz um paralelo com o que aconteceu na Inglaterra. "É delicado, isso fala sobre problemas com o uso do dinheiro público. Tivemos os mesmos argumentos em relação às Olimpíadas aqui (em Londres, em 2012). Todo grande evento como esse, geralmente, acaba beneficiando uma parcela muito pequena da população."

Chandrasonic compartilha que tem escutado bastante música africana, como artistas quenianos e sul-africanos. Da música atual, cita a cena underground forte na Inglaterra, especialmente em Londres, sua cidade natal. No entanto, lamenta que os artistas mais engajados não tenham tanto espaço na mídia, massivamente preenchida pela música pop.

"No Reino Unido, hoje, a ideia de ter a música como um agente de mudança ou algo desafiador já não existe mais", conta. Perguntado se isso seria pela falta de artistas engajados ou de espaço na mídia, o músico exemplifica. "Nos Estados Unidos, o rap é um exemplo incrível. Artistas como Jay-Z ainda são considerados como um tipo de rebelde, mas você não poderia ter um artista tão bem estabelecido na mídia quanto ele".

Asian Dub Foundation em São Paulo
Cine Joia (pça Carlos Gomes, 82 - Liberdade)
Sexta-feira, 30/5
Show de abertura: Família Gangsters (23h)
Horário previsto do Asian Dub Foundation: 0h30
Ingressos (segundo lote): R$ 70 (meia) a R$ 140,00 (inteira)

Leia tudo sobre: asian dub foundationigspshowcine joiamúsicaentrevista

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas