Pepeu Gomes atrasa, mas agrada fãs com versões extendidas de clássicos da MPB

Por iG São Paulo , por Adriano Oliveira, especial para o iG |

compartilhe

Tamanho do texto

O ponto alto do show na Virada Cultural foi a versão de mais de 10 minutos de "A Cidade", de Chico Science e Nação Zumbi

Já eram 9h quando Pepeu Gomes ainda terminava de passar o som no Palco Júlio Prestes. Após vinte minutos de atraso, o show começou com uma versão instrumental de “Oye como Vá”, de Tito Puente.

Show de Pepeu Gomes na Virada Cultural. Foto: Adriano Oliveira/iGCarlos Macarrão em Show de Pepeu Gomes na Virada Cultural. Foto: Adriano Oliveira/iGShow de Pepeu Gomes na Virada Cultural. Foto: Adriano Oliveira/iG

O público, apesar de pequeno, era composto de fãs do 'novo baiano': não faltaram pedidos de músicas e aplausos empolgados. Carlos Macarrão, um dos ouvintes, que copiava o estilo de Slash, do Guns’n’Roses, veio à Virada Cultural especialmente para apresentação. “O cara é uma enciclopédia da música brasileira; toca muito.”

O show continuou com versões extendidas e cheias de solos de clássicos da música popular brasileira e do repertório solo do guitarrista, que já contabiliza mais de 15 discos. Ponto alto para a interpretação que passou dos dez minutos de “A Cidade”, composição de Chico Science e Nação Zumbi.

RZO, Luiz Melodia e Martha Reeves & The Vandellas ainda sobem ao mesmo palco até às 18h deste domingo (18), quando termina mais uma Virada Cultural.

Leia tudo sobre: pepeu gomesvirada culturalmúsicaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas