Antigo empresário da banda Pearl Jam é condenado à prisão por roubo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Rickey Charles Goodrich se declarou culpado de seis acusações

Reuters

Claudio Augusto
Pearl Jam no Lollapalooza 2013; ex-empresário do grupo foi condenado à prisão

O ex-gerente financeiro do Pearl Jam, que usou o seu cargo na banda de rock para roubar US$ 380 mil (R$ 162,4 mil), foi condenado na sexta-feira a 14 meses de prisão durante uma audiência no Estado de Washington, disse uma autoridade.

Siga o iG Cultura no Twitter

Rickey Charles Goodrich, 55 anos, inicialmente enfrentou 33 acusações de roubo, mas em dezembro se declarou culpado de seis acusações de roubo em primeiro grau, disse Dan Donohoe, porta-voz da promotoria do condado King. "(Goodrich) vai ficar fora da cadeia pelas próximas duas semanas para colocar seus negócios em ordem para que possa pagar a restituição", disse Donohoe. "Ele começa a cumprir sua sentença no dia 14 de março."

O quinteto chegou à fama no início da década de 1990, com o movimento grunge-rock e já vendeu milhões de discos no mundo todo. Goodrich era o diretor financeiro da Curtis Management, com sede em Seattle, que cuidava dos negócios da banda, antes de ser demitido em setembro de 2010.

Foi descoberto que Goodrich, que supervisionava as finanças relacionadas às turnês do Pearl Jam, fez transferências de dinheiro da empresa para pagar suas dívidas pessoais, além de usar o cartão de crédito corporativo para despesas não comprovadas.

Ele foi pego depois que o empresário da banda descobriu transações suspeitas, feitas em 2009, na empresa que organizava as turnês e no fã clube Ten Club.

Goodrich foi condenado na sexta-feira pelo juiz Roger Rogoff, da Corte Superior do Condado King. William Morris Endeavor, que representa a banda, e a Curtis Management não retornaram imediatamente os pedidos para comentar o caso.

Leia tudo sobre: pearl jamrickey goodrichmúsica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas