Em cartaz no MIS, em São Paulo, mostra reúne roupas e objetos relacionados à vida e à carreira do astro inglês

Os 47 figurinos usados por David Bowie são os destaques da exposição sobre o artista no MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo, segundo os visitantes que passaram por lá no primeiro dia. A mostra está aberta a partir desta sexta-feira (31) e fica até o dia 20 de abril.

Mais: Exposição sobre David Bowie emociona ao mostrar processo criativo

Siga o iG Cultura no Twitter

Na exposição, o processo de criação do artista inglês de 67 anos é ilustrado por vídeos, fotos, cenas de filmes, partituras, manuscritos de letras e figurinos. Os trajes são os objetos que mais chamam a atenção por representarem as fases de Bowie, seja como a persona "Ziggy Stardust", a mais famosa delas, ou como outros personagens criados pelo artistas e também presentes na exibição.

Há dois anos no Brasil, a engenheira ambiental portuguesa Mariana Dias destacou o equipamento de áudio individual como um ponto positivo. "Você não tem que se preocupar, porque o som é adaptado ao que você está vendo". O ingresso dá direito a fones de ouvido para acompanhar o som dos clipes, filmes e trilha sonora de cada ambiente. "Bowie é um visionário e tem fãs de 18 a 80 anos. A criatividade e personalidade dele o tornam um ícone."

A estudante Julia Ribeiro, de 15 anos, veio de Franca, interior de São Paulo, e também diz ter se encantado com figurinos e  clipes. "A música de Bowie está ligada ao visual, e isso não a menospreza. Ele foi o cara que juntou teatro, vídeo e música". A estudante conta que sempre gostou de artistas mais antigos e que conheceu Bowie por influência de um amigo.

O visitante Denis Oliveira diz ter ficado impressionado com as roupas, principalmente por ter visto a turnê "Sound+Vision", que Bowie trouxe ao Brasil em 1990. "Ver essas roupas, o que apareceu nos vídeos e estar perto disso é o melhor da exposição." Definir as contribuições de Bowie, diz Denis, é muito difícil porque "tem moda, literatura, pintura, fotografia, dança. Não é a toa que o chamam de 'camaleão'." 

Renata William, advogada, e Claudia William, dentista, gostaram da sala redonda. "Você vê tudo em 360 graus, ouve as músicas, vê suas roupas", contam.

As estudantes Aline Antunes e Camila Schimicoski, de 18 anos, também gostaram das roupas. "Ele é tudo em uma pessoa só", diz Aline, que quer estudar moda e se inspirou em Bowie para um trabalho de conclusão de curso. "Cresci ouvindo Bowie, minha mãe, minha tia, meu pai, todos sempre gostaram dessa pegada meio louca", conta a amiga Camila.

"Gostei da mistura das músicas com os figurinos, é importante ter as roupas para a vivência das turnês e das épocas", diz o designer gráfico Nathan Santos. "A única coisa que senti falta foi de 'Heroes', porque é uma música que todo mundo gosta e eu fiquei procurando." O figurino preferido de Nathan é o terno desenhado por Alexander McQueen com estampa de marca de pneus.

"Exposição David Bowie"
MIS - Museu da Imagem e do Som (av. Europa, 158, São Paulo)
De 31/1 a 20/4 (terça à sexta das 12h às 21h; sábados das 10h às 21h; domingos e feriados das 11h às 20h)
Ingressos: R$ 25 (antecipado). Na recepção do MIS, por R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Gratuito às terças-feiras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.