Cantora de "Beijinho no Ombro", Valesca Popozuda diz: "Mulher sofre de recalque"

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Funkeira afirma que a música tem "a sensualidade da Rihanna, a inovação da Madonna e a magia da Katy Perry"

Fã de Roberto Carlos, Ivete Sangalo e de todas as divas pop do momento, como Beyoncé e Lady Gaga, a funkeira carioca Valesca Santos Reis, mais conhecida como Valesca Popozuda, colhe o sucesso com o hit "Beijinho no Ombro".

A canção é sua primeira em carreira solo após a saída do grupo Gaiola das Popozudas, que a revelou no começo dos anos 2000 em um cenário de funk em expansão para fora dos morros cariocas.

Valesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda. Foto: DivulgaçãoValesca Popozuda no clipe de "Beijinho no Ombro". Foto: DivulgaçãoGaiola das Popozudas, ainda com Valesca. Foto: Divulgação

Mostrando um visual mais sofisticado em relação a seus trabalhos anteriores, em menos de um mês no YouTube o clipe de "Beijinho no Ombro" ultrapassou 2,6 milhões de visualizações. O investimento para a criação teria sido de R$ 400 mil.

Siga o iG Cultura no Twitter

As gravações aconteceram no Castelo de Itaipava, na região serrana do Rio, e o resultado mostra a funkeira em situação de rainha, com direito a um trono para reinar ao lado de um tigre e demais composições que remetem ao luxo e poder, elementos comuns em vídeos das divas pop que Valesca admira.

"O clipe teve várias referências. Peguei a inovação da Madonna, a atitude da Lady Gaga, o capricho da Beyoncé, as danças da Britney Spears, a magia da Kary Perry e a sensualidade de Rihanna", conta Valesca ao iG.

"Keep calm e deixa de recalque"

A letra de "Beijinho" inspira as mulheres a não se abaterem com os comentários das "recalcadas": "Beijinho no ombro pro recalque passar longe/ Beijinho no ombro só pras invejosas de plantão", canta, combativa.

"Toda mulher sofre de recalque, não é? Sempre tem a outra que coloca um defeitinho. A letra chega e serve como uma luva", explica, com bom-humor, sobre como a canção pode influenciar as mulheres.

"Funk era marginalizado"

Valesca começou sua carreira como cantora de funk há 14 anos com a Gaiola das Popozudas. O grupo foi criado por Pardal, seu empresário. Atualmente em carreira solo, sua irmã, Géssica Santos, foi quem assumiu seu lugar no grupo de funk feminino.

Em comparação ao período em que começou, Valesca acredita que "mudou bastante". "Hoje em dia o funk tem uma visibilidade maior, entra na TV com mais facilidade e com menos preconceito. Antes, quem cantava ou ouvia funk já era marginalizado logo de cara."

Colhendo a boa recepção de "Beijinho no Ombro", Valesca fala sobre o sucesso: "No auge seria um pouco pretensioso de dizer, mas estou, digamos, em uma melhor fase de minha carreira, mais madura e mais com a minha cara".

Leia tudo sobre: valesca popozudafunkmúsicaentrevistabeijinho no ombro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas