10 músicas para entender Vinicius de Moraes; vote na sua preferida

Por Susan Souza , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O "poetinha", como era chamado, colaborou para criar a bossa com "Garota de Ipanema", "Chega de Saudade" e outros clássicos; leia sobre suas canções mais marcantes

AE
Vinicius de Moraes, o poetinha

Vinicius de Moraes completaria seu centenário no próximo sábado (19). O "Poetinha", alcunha que o acompanhou ao longo da vida, nasceu no Rio de Janeiro e foi um dos letristas mais famosos da música brasileira.

Entre os temas explorados por suas poesias musicadas, o compositor descreveu sua cidade natal, as mulheres que observava passar pela orla e o amor em seus diversos desdobramentos, vivido intensamente em vários de seus casamentos.

Siga o iG Cultura no Twitter

A partir dos anos 1950, Vinicius trabalhou com parceiros musicais como Tom Jobim, Baden Powell e Edu Lobo em músicas que ajudaram a definir o que seria a bossa nova e, posteriormente, encaminharam a MPB.

Sempre com lirismo e dramaticidade, o "poetinha" explorou encontros da bossa com o samba e a música africana, além de ter contribuído para projetar a carreira de nomes como Nara Leão e João Gilberto.

Ouça 10 músicas que representam o legado de Vinicius de Moraes:

"Garota de Ipanema"
Lançada em 1963, é uma das músicas mais famosas da dupla Vinicius de Moraes e Tom Jobim, além de ser considerada como um marco da bossa nova. Revelou a musa inspiradora Helô Pinheiro, que era frequentemente observada do bar onde os dois costumavam se encontrar.

"Eu Sei Que Vou Te Amar"
Mais uma composição de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, versa de maneira dramática sobre o amor, tendo sido interpretada por diversos artistas. "Por toda a minha vida eu vou te amar/ Em cada despedida, eu vou te amar/ Desesperadamente, eu sei que vou te amar", diz em letra forte.

"Pela Luz dos Olhos Teus"
Composição de Vinicius de Moraes que ficou famosa na voz de Miúcha e Tom Jobim. O poeta se derrama em versos apaixonados de uma música sem refrão: "Mas se a luz dos olhos teus/ Resiste aos olhos meus/ Só pra me provocar/ Meu amor, juro por Deus/ Me sinto incendiar".

"Chega de Saudade"
Sucesso de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, foi lançada no disco considerado como o primeiro álbum de bossa nova: "Canção do Amor Demais", de Elizeth Cardoso, em 1958. Um ano depois, João Gilberto interpretou a faixa no disco de mesmo título, o primeiro de sua carreira solo, o que contribuiu para consolidar a faixa como uma das mais famosas da bossa.

"Samba da Benção" 
Uma das primeiras parcerias de Vinicius com o violonista Baden Powell. Chegou a ser utilizada sem autorização na trilha-sonora do filme "Um Homem e Uma Mulher", do diretor francês Claude Lelouch. Nas partes faladas, Vinicius se declara "o branco mais preto do Brasil" e exaltas as mulheres, o samba e a musicalidade africana, que viria a se tornar mais frequente nas próximas parcerias com Baden.

"Tarde em Itapoã"
Vinicius de Moraes e Toquinho foram amigos próximos e compuseram juntos muitas músicas como "Testamento", "Como Dizia o poeta" e "Tarde em Itapõa", cuja letra exalta um dia de folga na praia: "Um velho calção de banho/ O dia pra vadiar/ Um mar que não tem tamanho/ E um arco-íris no ar".

"Canto de Ossanha"
Vinicius e o violonista Baden Powell tiveram uma parceria prolífica que gerou o disco "Os Afro-sambas", de 1966, o segundo lançado pela dupla. O álbum é considerado como um marco por misturar a sonoridade brasileira com a crença e musicalidade da África. A abertura é feita pela visceral "Canto de Ossanha".

"Aquarela"
Composição de Vinicius com Toquinho, Guido Morra e Maurizio Fabrizio. Ficou famosa na voz de Toquinho, um dos melhores amigos de Vinicius, com quem também fez o disco infantil "A Arca de Noé". "Aquarela" segue em versos lúdicos: "Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel/ Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu".

"Insensatez"
Vinicius de Moraes e Tom Jobim compuseram uma música que, em sua versão traduzida para o inglês, fez tanto sucesso que chegou a ser regravada por nomes como Ella Fitzgerald, Frank Sinatra e até mesmo pelo roqueiro Iggy Pop.

"Arrastão"
Composição de Vinicius de Moraes e Edu Lobo, levou o primeiro lugar no I Festival Nacional de Música Popular Brasileira, em 1965, com interpretação lendária da novata Elis Regina, transmitida pela extinta TV Excelsior.

Participe da enquete:


Leia tudo sobre: vinicius de moraescentenario da mortemusicapoesiaculturamaislidas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas