O Rappa: "Enquanto houver motivo para letras críticas, vamos continuar falando"

Por Susan Souza , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo lança "Nunca Tem Fim...", primeiro disco de inéditas em cinco anos; leia entrevista ao iG

Gabriel Wickbold/Divulgação
O Rappa lança "Nunca Tem Fim..."

"São 20 anos de estrada juntos. Somos uma família, com discussões, brigas, mas com a música como objetivo principal", diz Marcelo Falcão, vocalista do grupo O Rappa, em entrevista ao iG.

A banda acaba de lançar "Nunca Tem Fim...", sucessor de "7 Vezes", que chega também em vinil após cinco anos sem compor um disco de inéditas. Depois de uma pausa de dois anos, somente em agosto de 2012 o grupo voltou a se reunir para pensar sobre o novo projeto.

"Agora estamos dando mais espaço entre um show e outro para descansarmos, aproveitarmos o tempo com a família e cuidarmos de nossos projetos pessoais. Isso dá um gás novo, te renova", explica Falcão.

Siga o iG Cultura no Twitter

O Rappa. Foto: Divulgaçãoo rappa_anjos para quem tem fe. Foto: DivulgaçãoGrupo carioca O Rappa. Foto: DivulgaçãoO Rappa na tarde de sábado no Lollapalooza Brasil. Foto: Claudio Augusto/iGO Rappa na tarde de sábado no Lollapalooza Brasil. Foto: Claudio Augusto/iGrappa. Foto: ReproduçãoO grupo O Rappa também se apresentou no palco localizado em frente ao Copacabana Palace. Foto: Alexandre Macieira / Riotur

O Rappa ganhou popularidade em meados dos anos 1990 com músicas como "Pescador de Ilusões" e o disco "Lado B Lado A", lançado em 1999, de onde saíram as faixas "Me Deixa" e "O Que Sobrou do Céu".

O DNA da banda carrega uma mistura de dub, reggae e rock que emoldura letras desconfortáveis e interessantes sobre situações como o acidente aéreo no aeroporto de Congonhas em 2007 ("Cruz de Tecido") e a criminalidade nas fronteiras do País ("Fronteira (D.U.C.A.)"), temas presentes no novo álbum.

"Sempre tivemos liberdade para falar sobre o que quisemos, sobre o que acreditamos. Enquanto nosso País oferecer motivo para letras com uma pegada crítica mais forte, vamos continuar falando sobre isso. É o que todo cidadão deve fazer", analisa Falcão.

"Procuramos não perder essa vontade de querer fazer coisas novas, experimentar. Temos um lado muito otimista, pelo estado da banda agora, que é de redescobrir a tocar junto. Acho que tem um amadurecimento", acrescenta o tecladista Marcelo Lobato.

"Nunca Tem Fim..." foi o disco de produção mais rápida d'O Rappa (cerca de nove meses até a finalização). A produção foi feita em conjunto com Tom Saboia, que trabalhou em "7 Vezes", e a masterização ficou por conta de Stephen Marcussen, que já trabalhou com Aerosmith e Red Hot Chili Peppers.

O rapper Edi Rock (Racionais MC's) participa como convidado na faixa "Um Dia Lindo", que encerra o disco e ainda tem versos incidentais de "Praia e Sol", de Bebeto.

Divulgação
Capa de "Nunca Tem Fim..."

Já a arte da capa é do artista Mike Deodato Jr, da Marvel Comics. O desenho mostra Lauro Farias (baixo), Xandão (guitarra), Falcão e Lobato com ares de HQ em situação inédita: "Nunca estivemos na capa", destaca Lobato.

Ligado em tecnologia, Falcão conta que com a ajuda do irmão Vinicius usou vários aplicativos de música no smartphone para misturar sons e encontrar inspirações presentes no disco.

"Eu tinha mais de 300 materiais diferentes. Aproveitamos vários desses 'overdubs' com coisas que simulam até som de fita cassete. Se o Steve Jobs soubesse dessa parada, já criaria um aplicativo só para isso", brinca.

Leia tudo sobre: O RappamúsicadiscolançamentoNunca Tem Fim

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas