Beach House: "Somos uma banda forte no palco, não espere música fofa"

Por Thiago Ney , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Dupla norte-americana se apresenta em São Paulo e no Rio de Janeiro; leia entrevista

Dupla norte-americana com dez anos de estrada, o Beach House é muitas vezes chamado de "dream pop" - músicas relativamente lentas, com vocais baixos e certo teor existencialista. Mas a vocalista Victoria Legrand não se sente muito confortável com a classificação.

Getty Images
Show do Beach House nos EUA

"Porque vejo que muita gente se engana, acha que somos uma banda folk ou coisa parecida", ela diz por telefone ao iG. "Não somos uma banda fofa. Somos em três no palco, com um baterista. É uma música emocional, mas ao mesmo tempo forte. Claro, não tocamos tão alto, mas são forças diferentes trabalhando juntas."

Mas Legrand abaixa a guarda: "'Dream pop' são apenas palavras para descrever um som, como um guia. O Cocteau Twins deve ter começado esse termo, então tudo bem".

Faz sentido essa preocupação de Legrand, que forma o Beach House com o multi-instrumentista Alex Scally. Porque, ao vivo, a dupla tem a ajuda de um baterista, o que torna músicas como "Wild" muito mais intensas. Isso poderá ser visto em shows nesta quarta (dia 28), em São Paulo, dentro do festival Popload Gig, no Cine Joia, e na sexta (dia 30), no Rio, no Circo Voador.

"Talvez por sermos uma garota e um cara, pensem que fazemos músicas fofas. Então quando nos veem ao vivo, têm uma surpresa", diz Legrand.

Fofo ou não, o Beach House traz ao Brasil a extensa turnê que percorre o mundo desde o ano passado - o disco "Bloom", quarto da dupla, saiu em maio de 2012.

"Bloom" pode não ser um disco que pegue o ouvinte logo de cara, como "Teen Dream", de 2010, que trazia faixas certeiras como "Zebra" e "Norway". Mas o clima etéreo do álbum guarda nuances que vão se apresentando aos poucos.

E "Bloom" mostra, ainda, uma dupla prolífica, que não encontra problemas para lançar discos com frequência de dar inveja a muitas bandas contemporâneas.

"Pensamos sempre no futuro, isso nos motiva a sempre seguir adiante, vivos. Já temos quatro discos porque somos ativos, trabalhamos duro. É algo natural, uma escolha nossa", conta Legrand.

"Isso me deixa orgulhosa. Algumas bandas são obrigadas a lançar discos, aí demoram muito, enfrentam pressões de todos os lados. 'Teen Dream' ainda estava sendo tocado quando lançamos 'Bloom'. Não gostamos de ficar parados."

Ao mesmo tempo em que lançam discos e saem em turnê, Legrand e Scally procuram centralizar tudo o que é referente ao Beach House, incluindo como a dupla é divulgada.

"Somos seletivos. Não fazemos muitas sessões de fotos, por exemplo. A música está à frente. Não manipulamos nossa imagem para nos tornarmos mais populares", afirma Legrand.

Beach House - São Paulo
Popload Gig, Cine Joia (pça. Carlos Gomes, 82, Liberdade, tel. 11-3231.3705)
Dia 28, a partir das 23h
R$ 180

Beach House - Rio
Circo Voador (r. dos Arcos, s/nº, Rio de Janeiro)
Dia 30, a partir das 22h
R$ 176

Leia tudo sobre: beach housemúsica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas