'Em casa, a gente morre também', diz Champignon sobre banda sem Chorão

Por Susan Souza , iG São Paulo | - Atualizada às

Texto

A Banca é o novo projeto dos integrantes do Charlie Brown Jr.; grupo terá mulher como baixista e Champignon nos vocais

"O Charlie Brown Jr. nunca vai deixar de ser a nossa banda. Passou de banda para Banca, porque se fosse uma banda era para ter o Chorão. A Banca é a gente", explicou o baixista Champignon, ex-integrante do Charlie Brown Jr., que assume os vocais do novo projeto chamado A Banca. O grupo falou em entrevista realizada na noite de quinta-feira (11).

A Banca é uma nova roupagem do Charlie Brown Jr. e foi apresentada oficialmente durante a gravação do programa "Altas Horas", que será exibido na madrugada de sábado para domingo (14). A formação do grupo continua a mesma de antes, sem o vocalista Chorão, morto no dia 6 de março. "Se a gente ficar em casa, a gente morre também. A gente tem que ir para a estrada, a gente precisa disso porque sem a banda não existe vida", explicou Champignon.

Ele, junto dos guitarristas Thiago Castanho e Marcão e do baterista Bruno Graveto apresentaram também a baixista Lena, nova integrante. Eles a conheciam da cena de rock de Santos, cidade do litoral paulista onde o Charlie Brown Jr se formou em 1992.

Próximos passos

Muito emocionados durante e depois da gravação do programa, que teve os convidados Dinho Ouro Preto, Marcelo D2, Negra Li e Zeca Baleiro para dividir os vocais em algumas músicas, os integrantes falaram sobre a reunião musical e reorganização em tão pouco tempo após a morte do líder. "As pessoas vão criticar de qualquer maneira, se a gente continuasse com o Charlie Brown Jr. ou se a gente fizesse outra banda", disse Champignon.

A Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo MarquesA Banca, nova formação do Charlie Brown Jr, toca no Altas Horas. Foto: Globo/ Reinaldo Marques

"Nós somos músicos, esse é o nosso trabalho. Isso também vai servir de inspiração para a gente fazer novas músicas", explicou o guitarrista Thiago. "A gente tem 20, 25 famílias que dependem totalmente disso aqui. Pensando nessas famílias, nas nossas mulheres, nos nossos filhos, é que a gente precisa continuar", completou. "Carregamos o DNA do Charlie Brown Jr., só que agora com outro formato", disse o guitarrista Marcão.

A Banca já tem quatro shows marcados: 4/5 em Lorena, 25/5 no Rio de Janeiro, 8/6 em Ribeirão Preto e 15/6 em Curitiba. No repertório, músicas do Charlie Brown Jr., inclusive inéditas do próximo álbum em fase de finalização. "A gente vai fazer turnê em homenagem ao Chorão e ao Charlie Brown Jr. até termos um material pronto para ser lançado. Acredito que até o final do ano a gente deva ter um single e até março ou abril do ano que vem a gente pretende lançar um disco novo", disse Champignon.

Sobre a decisão de mudar de nome, o vocalista da Banca disse que foi para fechar o ciclo do trabalho feito com o antigo companheiro de CBJR. "Optamos por mudar de nome para poder eternizar o que a gente imprimiu como Charlie Brown Jr., e sem o Chorão não teria como. Mas a gente vai continuar a tocar as músicas da banda, porque elas também são nossas."

Recomeço

"Depois que o Chorão morreu, ficamos em choque, três semanas sem tocar, pensando em como poderíamos prosseguir sem o cara. Pensamos que seria legal ter um músico de apoio para ajudar a gente a fazer esses shows, e lembrei da Lena", contou Champignon, que foi quem teve a ideia de trazer a baixista. "Ela poderia dar o peso que a gente precisa".

Lena estava no meio de uma reunião, em seu antigo trabalho na capital paulista, quando recebeu um telefonema de Champignon a convidando para o novo projeto. "Foi uma decisão que não foi difícil de tomar, porque não foi nada difícil largar tudo o que eu estava fazendo para estar aqui agora, fazer o que eu gosto e poder viver disso", contou a baixista. Segundo os colegas de banda, ela impressiona pela pegada e vigor. "A química foi perfeita", afirmou Marcão.

"Parece que é uma jogada de marketing ou coisa parecida, mas não é nada. Eu queria que um puta músico viesse tocar na nossa banda e ela poderia fazer esse papel", defendeu Champignon, esclarecendo que nunca pensou em parar de tocar, só não sabia quanto tempo levaria para que se reorganizassem. Marcão completou sobre o último mês: "Foram semanas que a gente passou se sentindo perdido e tentando assimilar o golpe, pensando o que fazer daqui pra frente. Está sendo uma situação muito difícil, mas a gente está lutando para organizar. A gente não se vê fazendo outra coisa".

O baterista Bruno Graveto destacou que, desde a morte de Chorão, os encontros entre os integrantes remanescentes ficaram intensificados e sem que eles planejassem isso. "Inconscientemente, a gente se manteve unido e não deixou nenhum tipo de ideia cair ou um cara que estava mais fraco no momento", explicou.

Disco inédito

O próximo trabalho de estúdio do Charlie Brown Jr. deve chegar às lojas em até dois meses, afirmaram os músicos. Serão 13 faixas que estão em processo de finalização, com produção de Tadeu Patolla, neste que será o 10º álbum da banda. Dele já foi lançado oficialmente o single "Meu Novo Mundo", cuja letra escrita por Chorão intriga: "A vontade de te ver ja é maior que tudo. E não existem distâncias no meu novo mundo", canta o poeta.

O clipe de "Meu Novo Mundo" será feito com imagens que o filho de Chorão, Alexandre, captou em shows da banda. Durante a gravação do "Altas Horas", Xande explicou que gravou e fotografou os últimos cinco shows do Charlie Brown Jr. A última apresentação da banda com Chorão foi em Balneário Camboriú, Santa Catarina, em 26 de janeiro de 2013.

Leia tudo sobre: A BancaCharlie Brown JrigspAltas Horasmúsicabanda
Texto

notícias relacionadas