Lollapalooza termina com Hives, Planet Hemp e Pearl Jam

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Todos os 60 mil ingressos disponíveis para o terceiro e último dia de festival foram vendidos; evento do ano que vem foi marcado para 18, 19 e 20 de abril

O Pearl Jam fechou o terceiro, último e mais cheio dia de Lollapalooza 2013. Todos os 60 mil ingressos disponíveis para este domingo (31) foram vendidos e a organização do festival anunciou uma nova edição para 2014, nos dias 18, 19 e 20 de abril.

Por causa do grande público, as bilheterias do Jockey Club, em São Paulo, abriram meia hora mais cedo. Ao contrário do que dizia a previsão do tempo, não choveu e o tempo foi bom durante todo o dia.

Leia também: Público tem impressão positiva da segunda edição do Lollapalooza

Pearl Jam fecha a segunda edição do Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoPearl Jam fecha a segunda edição do Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoShow de Eddie e Lirinha no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoShow de Eddie e Lirinha no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoPlanet Hemp no Lollapalooza 2013. Foto: Claudio AugustoPlanet Hemp no Lollapalooza 2013. Foto: Claudio AugustoShow da banda The Hives no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoShow da banda The Hives no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoKaiser Chiefs anima o palco Butantã no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoKaiser Chiefs anima o palco Butantã no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoShow do Foals no Lollapalooza. Foto: Claudio AugustoShow do Foals no Lollapalooza. Foto: Claudio Augusto

Uma das primeiras atrações do domingo foi a banda Eddie, acompanhada do vocalista Lirinha, ex-Cordel do Fogo Encantado. Com um rock de viés regionalista, com influências de diversos estilos brasileiros, os pernambucanos agradaram às inúmeras pessoas que se amontoavam em frente ao palco - muitos já à espera do Pearl Jam.

Com guitarras altas, teclado, baixo funkeado e bateria forte, a banda britânica Foals fez barulho, mas um barulho lento. Ao iG, o vocalista Yannis Philippakis falou sobre o "novo Foals", mais técnico e cerebral: "Acho que temos mais material agora. Quando viemos antes só tínhamos o material do primeiro álbum. E esse show também foi ao ar livre, de dia, não tinha a atmosfera noturna. Mas foi tão divertido quanto, só um tipo diferente de show".

O Kaiser Chiefs trouxe sua já esperada energia, liderados pelo hiperativo Ricky Wilson, que manteve a postura de interagir com o público e arranhar no português. Wilson não fez corpo mole: meaçou se jogar na galera - mas foi puxado pelo cinto por um segurança - subiu nas estruturas do telão para cantar do alto, fez caretas e sacodiu todas as câmeras que chegaram perto.

A banda sueca The Hives fez um show que não será esquecido tão cedo pelas milhares de pessoas que se aglomeraram à frente do palco principal do Lollapalooza no início da noite. Músicas rápidas, duas guitarras ensurdecedoras, uma bateria demolidora e um vocalista que ganhou o público com carisma e bom humor.

O Lollapalooza também marcou a passagem por São Paulo da turnê de reunião do Planet Hemp, que acabou em 2011 e voltou para algumas apresentações em 2012. Num show cheio de energia, a banda parecia se divertir tanto quanto o público, que cantou junto - e por vezes sozinho - canções como "Legalize Já", "Dig Dig Dig", "Queimando Tudo" e "Mantenha o Respeito".

E, para encerrar o festival, o grunge de Seattle foi bem representado pelo Pearl Jam, que fez um show vigoroso baseado em hits da extensa carreira de 20 anos. Liderado por Eddie Vedder, o grupo falou positivamente sobre a postura do Brasil em relação à união de pessoas do mesmo sexto e agradou a plateia com um show para fãs.

Leia tudo sobre: lollapaloozaigspmúsica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas