Bob Dylan reage a acusações de plágio e chama críticos de "covardes"

"São as mesmas pessoas que tentaram pregar em mim o nome de Judas", afirma o cantor e compositor à revista norte-americana

Reuters |

Reuters

O cantor Bob Dylan reagiu com irritação às acusações de plágio em algumas letras de suas canções, xingando seus críticos e dizendo que a apropriação musical é "parte da tradição do folk".

Em entrevista à revista Rolling Stone, na edição que será lançada sexta-feira nos Estados Unidos, o influente artista norte-americano falou pela primeira vez sobre as acusações, dizendo que no folk e no jazz "a citação é uma tradição rica e enriquecedora".

Leia também:  Em novo disco, Bob Dylan faz referências a Lennon e ao Titanic

"Todo mundo pode, menos eu", queixou-se. "Para mim há regras diferentes." Ele chamou seus críticos de "wussies and pussies" (algo como "fracos e covardes").

A Rolling Stone divulgou trechos da entrevista na quarta-feira, e depois disso a Reuters obteve uma transcrição completa.

Em 2003, o Wall Street Journal relatou que as letras do disco "Love and Theft", de 2001, eram notavelmente parecidas com trechos de uma obscura biografia de um bandido japonês lançada em 1995.

Siga o iG Cultura no Twitter

Doze trechos semelhantes foram identificados. Num deles, por exemplo, a letra de Dylan diz: "Não sou tão legal e clemente quanto pareço"; no livro, lê-se a frase: "Não sou tão legal ou clemente quanto eu poderia parecer".

Em 2006, o New York Times fez alegações semelhantes envolvendo o álbum "Modern Times", evocando frases de um poeta da época da Guerra da Secessão norte-americana.

"Estou trabalhando dentro da minha forma de arte", disse o cantor de 71 anos na entrevista. "É simples assim (...). Chama-se composição. Tem a ver com melodia e ritmo, e depois disso vale tudo. Você torna tudo seu. Todos nós fazemos isso."

Leia também: As 20 músicas mais importantes de Bob Dylan

"Essas são as mesmas pessoas que tentaram pregar em mim o nome de Judas", disse ele, aludindo à celebre recriminação que ele sofreu de fãs na década de 1960, que o consideravam um traidor do blues por adotar a guitarra elétrica.

"Como se (tocar guitarra elétrica) fosse de alguma forma comparável a trair nosso Senhor e levá-lo a ser crucificado. Todo esse mal (...) pode apodrecer no inferno."

    Leia tudo sobre: bob dylanplágio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG