Imprensa americana chama quinto álbum do cantor de "chato", "frustrante" e "sem ousadia"

Reuters

Chris Brown na capa de 'Fortune'
Divulgação
Chris Brown na capa de 'Fortune'

O rapper e cantor de R&B Chris Brown pode estar tentando recuperar sua imagem manchada, mas não conseguiu impressionar os críticos com seu mais recente álbum "Fortune", que foi lançado na terça-feira.

Siga o iG Cultura no Twitter

O quinto álbum de estúdio de Brown segue os trilhos do álbum de 2011 "FAME", que estreou como número 1 na parada de 200 álbuns da Billboard em março do ano passado e ganhou um Grammy de melhor álbum de R&B.

Mas se as primeiras críticas servirem como indicação, "Fortune" parece ter falhado, já que a maioria dos críticos parece ter sido incapaz de ignorar o histórico de Brown.

O cantor, de 23 anos, está atualmente no meio de uma sentença condicional de cinco anos após se declarar culpado de bater na ex-namorada Rihanna, na véspera do Grammy em fevereiro de 2009.

Leia também:  Rihanna diz que ter apanhado de Chris Brown a deixou "mais livre"

Três anos depois, ele continua incapaz de mudar sua reputação de bad boy – no mês passado, ele e o rapper Drake ganharam as manchetes depois de uma sangrenta briga de bar entre seus respectivos fãs.

Chris Brown: em liberdade condicional por bater em Rihanna, sua ex-namorada
Divulgação
Chris Brown: em liberdade condicional por bater em Rihanna, sua ex-namorada

Melissa Locker, da Time Magazine, deu uma crítica condenatória a Brown e a "Fortune", questionando por que a indústria da música havia perdoado o cantor por seus crimes e chamando o álbum de "chato". Ela pede ao leitor para evitar comprá-lo.

Kyle Anderson, da Entertainment Weekly, disse que o álbum "promove a desconexão desconfortável e frustrante entre a vida pessoal impetuosa de Brown e sua persona musical estranhamente sem ousadia", e deu um a avaliação "C-menos".

Ouça músicas e aprenda letras de Chris Brown

O álbum tem aprovação de 40% no site de críticas Metacritic.com, mas também houve avaliações positivas. Randall Roberst, do Los Angeles Times, deu duas de quatro estrelas, chamando o álbum de "a obra de um artista que entrou com tudo em algumas faixas comerciais projetadas para fazer nosso herói voltar às graças da América".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.