Gilberto Gil em 10 momentos

Relembre os principais fatos da vida e da carreira do cantor, que completa 70 anos

Augusto Gomes , iG São Paulo | - Atualizada às

Nesta terça-feira (26), Gilberto Gil completa 70 anos. O músico festeja o aniversário em plena atividade. Há cerca de um mês, gravou um CD e DVD ao vivo no Rio de Janeiro , com lançamento marcado para o final do ano.

Na semana que vem, inicia mais uma turnê pela Europa. O primeiro show acontece em Londres, no dia 1º de julho, dentro da primeira edição internacional do festival Back2Black .

Para festejar os 70 anos, o show gravado no mês passado no Rio de Janeiro será transmitido dentro do canal de Gil no YouTube .

Intitulado "Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo", o espetáculo será exibido a partir das 19h desta terça-feira.

Relembre abaixo os dez principais momentos da vida e da carreira de Gilberto Gil.

Divulgação
Disco "Gilberto Gil" (1968)

GIL TROPICALISTA

Nos anos 1960, Gilberto Gil e Caetano Veloso lideraram uma revolução na música brasileira, o tropicalismo. O movimento propunha a mistura de ritmos brasileiros (samba, bossa, baião) com rock e até música erudita. O estouro tropicalista aconteceu no festival da música brasileira de 1967, quando Gil apresentou "Domingo no Parque" e Caetano, "Alegria, Alegria".

O disco
O segundo álbum de Gil, "Gilberto Gil" (1968), é uma das obras-primas do tropicalismo. Com arranjos do maestro Rogério Duprat e acompanhamento d'Os Mutantes, o cantor interpreta clássicos como "Domingo no Parque", "Marginália II" e "Frevo Rasgado". Samba, baião e frevo convivem com rock e psicodelia e o experimentalismo se mistura com o popular.

A música
"Domingo no Parque"

Divulgação
Disco "Gilberto Gil" (1971)

GIL EXILADO

Em 1969, Gilberto Gil e Caetano Veloso foram presos. Acusados de "subversão" pela ditadura militar, ambos se exilaram em Londres. Na Inglaterra, Gil começou a tocar com músicos locais (fez até uma jam session com Dave Gilmour, do Pink Floyd) e fez shows em outros países da Europa, como França e Alemanha. Em 1971, gravou um disco em inglês, chamado "Gilberto Gil".

O disco
O disco britânico de Gil tem oito faixas em inglês. Há canções só de Gil ("Nêga"), e parcerias com Jorge Mautner ("Crazy Pop Rock"), além de uma versão em inglês de "Volks Volkswagen Blue" e um cover de "Can't Find My Way Home", do Traffic. Naquele mesmo ano, Gil começou a trabalhar num segundo álbum britânico, mas abandonou o projeto.

A música
"Nêga"

Divulgação
Disco "Expresso 2222" (1972)

GIL NO BRASIL

Em janeiro de 1972, Gil retorna ao Brasil. Mas os problemas com a ditadura continuam - "Cálice", sua parceria com Chico Buarque, foi censurada e só pôde ser lançada em 1978. Após a volta, faz shows por todo o país e apresenta novas músicas, que depois entrariam no disco "Expresso 2222" (1972). Também lança uma série de músicas só em compacto, com destaque para "Maracatu Atômico" (1973).

O disco
O álbum "Expresso 2222" (1972) abre com "Pipoca Moderna", tocada pela banda de pífanos de Caruaru. A presença do tradicional grupo pernambucano representa a volta de Gil a suas raízes brasileiras, reforçada em regravações de Gordurinha ("Chiclete com Banana") e João do Vale ("O Canto da Ema"). Das composições próprias, destaque para "Expresso 2222", "Oriente" e "Back in Bahia".

A música
"Back in Bahia"

Divulgação
Disco "Doces Bárbaros" (1976)

GIL PRESO

Em 1976, Gilberto Gil foi preso por porte de maconha. A detenção aconteceu no dia 7 de julho, durante um show dos Doces Bárbaros (grupo formado por Gil, Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia) em Florianópolis. Após admitir que era usuário da droga, ele e o baterista da banda, Chiquinho Azevedo, tiveram que passar por tratamento médico.

O disco
O álbum duplo "Doces Bárbaros" foi gravado ao vivo durante a turnê em que Gil foi preso por porte de drogas. Ao lado de Caetano, Gal e Bethânia, ele interpreta canções até então inéditas. Entre elas, músicas que depois se tornariam clássicas, como "Esotérico" e "Um Índio". Das composições de Gil, o grande destaque é "O Seu Amor".

A música
"O Seu Amor"

Divulgação
Disco "Refavela" (1977)

GIL NA ÁFRICA

No início de 1977, Gilberto Gil fez uma série de shows em Lagos, na Nigéria. A passagem pela África foi uma experiência transformadora, e o resultado foi o disco "Refavela", lançado naquele mesmo ano. A influência da música originária do Golfo da Guiné pode ser sentida, por exemplo, em canções como a própria "Refavela" e em "Babá Alapalá", "Balafon" e "Patuscada de Gandhi".

O disco
"Refavela" (1977) é a segunda parte de uma trilogia, que começou com "Refazenda" (1975) e terminaria com "Realce" (1979). É o trabalho mais "africano" de Gil. Canções como "Babá Alapalá" e "Balafon" são claramente influenciadas pelo continente negro, mas também há baladas ("Sandra"), toques nordestinos ("Norte da Saudade") e uma recriação bem pessoal de Tom Jobim ("Samba do Avião").

A música
"Patuscada de Gandhi"

Veja abaixo: Artistas dão parabéns a Gilberto Gil

Divulgação
Disco "A Gente Precisa Ver o Luar" (1981)

GIL POP

Gilberto Gil já era um artista famoso desde os anos 1970, mas sua popularidade deu um salto após o sucesso de "Realce", de 1979. Ele então iniciou os anos 1980 liderando as paradas em todo o Brasil, com músicas como "Toda Menina Baiana", "Palco", "Andar com Fé" e "Drão", entre outras. Nessa mesma época, consolidou sua carreira internacional, com turnês constantes pelo hemisfério norte.

O disco
Após o estouro de "Realce", seu disco mais vendido até então, Gil iniciou uma parceria com o produtor Liminha. O pontapé inicial foi o álbum "A Gente Precisa Ver o Luar", de 1981. O trabalho tem todas as características do Gil dos anos 1980: apelo pop, produção cristalina, um toque de reggae. Destaque para os hits "Palco" e "Se Eu Quiser Falar com Deus".

A música
"Palco"

Divulgação
Disco "Gilberto Gil Unplugged" (1994)

GIL ACÚSTICO

Em 1994, Gilberto Gil foi apresentado a um público mais jovem. Foi quando ele gravou o disco "Gilberto Gil Unplugged", um dos primeiros acústicos da MTV brasileira. Foi também um dos maiores sucessos da carreira do cantor, e rendeu uma extensa turnê, que durou cerca de um ano e meio e passou por boa parte do planeta - incluindo seus primeiros shows no Chile e no Uruguai.

O disco
"Gilberto Gil Unplugged" foi gravado ao vivo no final de 1993 e lançado no ano seguinte. O repertório mistura alguns dos maiores sucessos da carreira de Gil ("Palco", "Aquele Abraço", "Realce") com algumas surpresas ("Sampa" e "A Novidade", que ele nunca havia gravado), todas em versões acústicas. É, ao lado de "Realce", o trabalho mais vendido de sua carreira.

A música
"A Novidade"

Divulgação
Disco "Eu Tu Eles" (2000)

GIL E GONZAGA

O forró e o baião de Luiz Gonzaga são influências marcantes desde o início da carreira de Gilberto Gil - seu disco de 1969 já trazia uma canção dele, "17 Léguas e Meia". Mas, em 2000, ele deixou essa influência explícita pela primeira vez ao assinar a trilha sonora do filme "Eu Tu Eles". Uma das canções, "Esperando na Janela", estourou nas rádios de todo o país.

O disco
A trilha sonora de "Eu Tu Eles" é composta principalmente de versões de clássicos de Luiz Gonzaga - "Asa Branca", "Assum Preto", "Qui Nem Jiló" e outras. Gil também compôs duas inéditas ("O Amor aqui de casa" e "As Pegadas do Amor") e regravou "Lamento Sertanejo". Mas o grande hit do álbum é "Esperando na Janela", um baião de de Targino Gondim que foi uma das músicas mais tocadas daquele ano.

A música
"Esperando na Janela"

Divulgação
Disco "Banda Larga Cordel" (2008)

GIL MINISTRO

Nos anos 1980, Gilberto Gil já havia se aventurado na política, cumprindo um mandato como vereador em Salvador pelo PMDB. Depois de anos dedicando-se somente à música, em 2003 ele assumiu o Ministério da Cultura no governo Lula. Uma das principais características de sua gestão foi a defesa da flexibilização dos direitos autorais. Em 2008, deixou o cargo.

O disco
Em 2008, pouco antes de pedir demissão do Ministério da Cultura, Gil lançou o disco "Banda Larga Cordel". Composto por 16 canções inéditas, o álbum foi lançado primeiro na internet. O cantor também fez shows com transmissão ao vivo pela rede, além de ter disponibilizado as canções para qualquer pessoa fazer seu remix.

A música
"Banda Larga Cordel"

Divulgação
Disco "Banda Dois" (2009)

GIL RETROSPECTIVO

Após deixar o Ministério da Cultura, Gilberto Gil dedicou-se a produzir material inédito ("Banda Larga Cordel", "Fé na Festa"), mas também a lançar releituras de sua própria obra. Em 2009, por exemplo, interpretou canções antigas no formato voz o violão no CD e DVD "Banda Dois". No final deste ano, lança outro CD e DVD, desta vez revisitando sucessos acompanhado de uma orquestra.

O disco
Em "Banda Dois", gravado ao vivo num teatro em São Paulo, Gilberto Gil canta alguns de seus clássicos ora acompanhado só de seu violão, ora também com o violão de seu filho, Bem Gil. As poucas exceções são "Amor Até o Fim", em que ele divide os vocais com Maria Rita, e "Refavela", "Babá Alapalá" e "Expresso 2222", em que outro filho, José, toca baixo e percussão.

A música
"Amor Até o Fim"

    Leia tudo sobre: Gilberto Gilmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG