Cantor Eduard Khil, o homem do trololó, morre na Rússia

Músico tinha 77 anos e foi vítima de complicações decorrentes de um derrame

iG São Paulo |

Reprodução
Eduard Khil (1934-2012)
O cantor Eduard Khil, conhecido como o homem do trololó, morreu neste domingo em São Petersburgo, na Rússia, vítima de complicações decorrentes de um derrame.

Khil sofreu um derrame em maio e, desde então, estava em coma. Sua família chegou a pedir ajuda para custear seu tratamento médico.

Siga o iG Cultura no Twitter

Khil ficou mundialmente conhecido em 2009, quando um vídeo de 1976 da música "Estou Feliz, Pois Estou Voltando para Casa" foi postado no YouTube.

Na canção, Khil troca a letra da música pela onomatopeia "trololó". O vídeo lhe valeu os apelidos de "homem do trololó" e "senhor trololó".

Assista abaixo à música:


O presidente russo, Vladimir Putin, expressou suas condolências à família do cantor, que fez bastante sucesso nas décadas de 1960 e 70, mas caiu no ostracismo após o fim da União Soviética.

Sucesso repentino

Após o sucesso no YouTube, inúmeros fãs fizeram uma petição online pedindo para Khil entrar em turnê mundial. O cantor não quis levar a ideia adiante e, embora tenha ficado lisongeado, não consgeuia entender por quê a canção tornou-se tão popular três décadas depois de ter sido feita.

Mikhail Sadchikov, um crítico muisical de São Petersburgo que conhecia Khil pessoalmente disse que o cantor reagiu à repentina fama com ironia: "Ficou sabendo, pelo neto, que camisetas e canecas com o seu rosto eram vendidas no Ocidente, e brincou que nunca ganhou nem um centavo com isso. Ele era bastante otimista, positivo e irônico ao mesmo tempo".

O próprio Khil chegou a dizer que se divertia com as diversas paródias feitas da canção, e que a que mais gostava era a feita pelo ator austríaco Christof Waltz.

Censura

"Estou Feliz, Pois Estou Voltando para Casa" foi composta pelo músico soviético Arkadi Ostrovski e a letra original falava de um caubói do estado americano de Kentucky que passeava pelas pradarias enquanto sua amada costurava meias para ele.

No entanto, a censura soviética daquela época considerou inaceitável semelhante texto em plena Guerra Fria com os Estados Unidos e proibiu sua interpretação em público. Por esse motivo, Khil (barítono formado pelo Conservatório de Leningrado, atual São Petersburgo, e artista honorífico da União Soviética) optou por interpretar a canção sem articular sequer uma palavra.

* Com informações das agências EFE e AP

    Leia tudo sobre: Eduard Khilmúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG