Venezuelano de 14 anos rege orquestra sinfônica

José Ángel Salazar foi reconhecido graças ao sistema de educação musical iniciado em 1975 em seu país

BBC Brasil |

selo

Um adolescente de apenas 14 anos conseguiu assumir o cargo de maestro de uma orquestra sinfônica na Venezuela.

José Ángel Salazar é o maestro da Orquestra Sinfônica Juvenil do Estado de Nova Esparta, e um talento promissor surgido graças ao sistema de educação musical iniciado em 1975 no país pelo economista e pianista José Antonio Abreu, conhecido como "O Sistema".

"O maestro José Antonio Abreu me disse uma vez que 'o céu é o limite, ninguém vai se impor um teto'. Quero ser profissional na música e estudar idiomas, aprender a falar inglês, francês e italiano, e gostaria também (de falar) alemão", disse Salazar à BBC.

Salazar vive na ilha Margarida, na costa da Venezuela, acorda todos os dias às 6h e volta para casa apenas depois das 21h. Ele frequenta o ensino secundário e depois vai aos ensaios, primeiro com a orquestra semiprofissional e depois com a juvenil.

Nascido em 1997, Salazar começou na música aos 8 anos, quando queria tocar trombeta. "Fui a um concerto de metais e fiquei tão impressionado que até chorei. Isso foi o que fez me decidir pela música", afirmou. "Mais adiante, tive mais contato com os instrumentos de corda e, no fim, escolhi o violino", lembra. Como violinista, Salazar chegou a ser um dos solistas da Orquestra Sinfônica Juvenil, que atualmente ele rege.

Substituindo o maestro

O início da carreira de Salazar como maestro ocorreu por acaso, em um ensaio da orquestra juvenil. "Um dia o maestro teve que sair para uma reunião e não havia ninguém para substituí-lo. Como eu era o concertino (um dos solistas), me ofereci para continuar o ensaio. Primeiro tocando, depois soltei o violino e acabei regendo", disse. "O que me chamou a atenção foi o quanto se consegue alcançar em grupo. Sempre se falou que a batuta não produz som sozinha. É bonito o trabalho que se pode fazer em equipe", disse.

Felipe Izcaray, o professor de regência de Salazar e titular da orquestra, também relembra o dia em que o adolescente contou que queria ser o maestro. "Me disse que queria estudar direção de orquestra, 'mas que seja algo muito sério'. Geralmente são os maestros que pedem seriedade nos projetos aos aspirantes", contou.

Salazar dirigiu pela primeira vez um programa completo da orquestra dos músicos mais velhos no dia 14 de outubro de 2011, pouco depois de completar os 14 anos. "Ele ganhou o respeito dos músicos. Sem levar a sua idade em conta, é um excelente jovem diretor. Às vezes se vê influenciado pelo fato de ter 14 anos, mas é simplesmente um bom músico que trabalha muito bem e consegue bons resultados", acrescentou Iscaray.

O professor afirma que Salazar é um "diamante bruto" e já tem "todo o material para se desenvolver". Iscaray conta que, ao descobrir as habilidades de Salazar, entrou em contato com o maestro José Antonio Abreu, economista, político e pianista venezuelano que criou o "Sistema", que ensina música clássica para cerca de 240 mil crianças na Venezuela.

"Eu disse: 'Olha, José Antonio, aqui tem um menino que merece atenção'. Nunca vi um caso assim, pela seriedade (de Salazar) e, acima de tudo, porque é um diretor (de orquestra) muito bom." Foi dessa forma que Iscaray levou Salazar para a sua primeira viagem à capital, Caracas, onde foi convidado por Abreu a um ensaio da Orquestra Juvenil de Caracas. Abreu disse ao professor que o adolescente precisava de uma orquestra para crescer como diretor. Dessa forma, foi tomada a decisão de nomear Salazar como o maestro titular da orquestra juvenil.

'Fase difícil'

Com seus gestos claros e boa técnica, Salazar encara a responsabilidade de reger uma orquestra de 80 músicos na orquestra juvenil, muitos deles mais velhos do que o jovem. "A maioria é de amigos e isso fica um pouco complicado. A confiança (entre amigos) precisa ser deixada um pouco de lado quando começa o trabalho", disse Salazar.

Para o adolescente é mais fácil dirigir a Orquestra Sinfônica de Nova Esparta, devido ao fato de os músicos adultos serem mais profissionais e "já superaram a adolescência, uma fase difícil", segundo o jovem. E o adolescente elogia muito José Antonio Abreu. "Está dedicado a te ajudar pessoalmente, você não tem que passar por ninguém para chegar onde ele está. É muito simples, muito humilde apesar de ser um grande maestro. Um exemplo do que é lutar", disse.

O "Sistema" de educação musical criado por Abreu já formou nomes como Gustavo Dudamel, regente da Filarmônica de Los Angeles. Para o professor Iscaray, Salazar é mais um bom exemplo do que o programa pode alcançar. "Na família dele não havia ninguém dedicado à música, mas, como ele disse, agora o pai fala de termos musicais que nunca usou antes", disse. Para o professor, o programa não envolve apenas os jovens, "mas a família, que percebe que estão dando aos jovens as ferramentas para ser um humano melhor".

    Leia tudo sobre: José Ángel Salazarmúsica erudita

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG