Turnê 2012 de Madonna tem procura por ingressos menor do que a de 2008

No Brasil, vendas começaram há três semanas e nenhum dos shows está esgotado; há quatro anos, entradas acabaram em menos de 24 horas

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Getty Images
Madonna
Os três shows que Madonna faz no Brasil (Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) são apenas em dezembro, mas mais de 100 mil ingressos já haviam sido vendidos até o início desta semana . Números impressionantes? Não se comparados com os alcançados pela cantora em sua visita anterior ao Brasil, em dezembro de 2008.

Naquela ocasião, quando a Madonna anunciou dois shows no país (São Paulo e Rio de Janeiro), os ingressos acabaram em menos de 24 horas. Resultado: ela marcou mais três apresentações (duas em SP, uma no Rio), que também acabaram rapidamente.

No total, foram vendidos mais de 300 mil ingressos naquelas cinco performances no país. Até então, a mais bem-sucedida turnê internacional realizada no Brasil.

A nova turnê da popstar, “MDNA”, começa em 31 de maio em Israel. O ritmo de venda não é grande no mundo todo. De acordo com o site oficial da cantora, dos 83 shows da turnê, apenas nove - pouco menos de 11% do total de datas - não têm mais ingressos disponíveis.

Procurada pela reportagem do iG , a Time 4 Fun, responsável por trazer Madonna ao Brasil, disse que as vendas no país estão “acima da média”. “Devemos esgotar os ingressos em breve”, diz Alexandre Faria, diretor artístico e de operações da empresa.

“Mesmo sem ter ainda estreado o show, Madonna já vendeu mais de 100 mil ingressos no Brasil e outros 650 mil na América do Norte (EUA e Canadá). Ela continua sendo uma campeã de vendas e deve bater seu próprio recorde de maior turnê de artista solo”, completa.

Reclusão

Para Rafael Augustto, fundador do site Madonna Online, a principal responsável pela venda menor do que em 2008 é a falta de divulgação. "Ela está reclusa. Lançou o CD e ficou quietinha, sem provocar nenhuma das polêmicas em que ela é mestre", diz.

Para ele, é uma situação "preocupante". "As vendas do CD ('MDNA', lançado em março) também caíram muito rapidamente depois da primeira semana", diz. O disco vendeu 359 mil cópias na primeira semana, mas apenas 48 mil na segunda. A queda, de 86,7%, é a maior da história da parada americana .

Divulgação
Madonna ensaia para a turnê "MDNA"
No Brasil, "MDNA" vendeu 80 mil cópias, sendo 40 mil delas na primeira semana. Bem mais do que seu trabalho anterior, 'Hard Candy' (2008), que não alcançou nem a marca de 50 mil cópias no país.

Rafael acredita que, quando Madonna "sair da toca" e iniciar a turnê, o interesse do público vai aumentar. "Há boatos que ela vai filmar o primeiro show para fazer quatro vídeos promocionais, algo que ela nunca fez antes", conta.

Preços

Já nos primeiros shows da turnê Madonna vem encontrando problemas. Ela deveria fazer duas apresentações em Tel Aviv, mas uma foi cancelada porque o primeiro show demorou tempo demais para esgotar ingressos.

Das 32 performances no Oriente Médio e Europa, só quatro não têm mais tíquetes. Na América do Norte, são 43 shows, com quatro esgotados. E, na América do Sul, só a apresentação em Medellin, na Colômbia, não tem mais ingressos.

Gary Bongiovanni, diretor do site especializado em shows Pollstar, disse ao jornal americano New York Post que o maior problema é o preço das entradas. "As vendas estão indo até bem na América do Norte, mas na Europa as pessoas estão reclamando que os ingressos estão caros demais", afirmou.

No Brasil, as entradas mais caras saem por R$ 850, em São Paulo e no Rio de Janeiro, e R$ 800, em Porto Alegre. De acordo com a Time 4 Fun, a culpa dos altos preços é da meia-entrada. "No ano passado, tivemos shows em que até 80% das entradas foram meias. Quanto maior esse percentual, mais temos que aumentar o preço", justificou Fernando Alterio, presidente empresa, na época em que a turnê foi anunciada .

Getty Images
Madonna na turnê "Sticky & Sweet", em 2008
Público acostumado

No caso específico do Brasil, há dois fatores específicos na fazem a turnê de 2012 perder para a de 2008. A primeira é que os ingressos foram colocados à venda com antecedência maior: oito meses, contra os quatro meses da série anterior.

Para a Time 4 Fun, não é possível comparar os shows de 2008 e 2012 porque trata-se de “duas realidades diferentes”. “Em 2008, a venda foi mais próxima às apresentações, o show já tinha estreado e o buzz já tinha sido criado”, diz o diretor Alexandre Faria.

A segunda e principal razão, na opinião do produtor e jurado do programa Ídolos Marco Camargo, é que um show de Madonna não é mais novidade. "Naquela época, fazia 15 anos que ela não vinha ao Brasil. Era algo inédito para muita gente, e tudo o que é inédito chama mais atenção", afirma.

"Outra diferença é que, em 2008, o Brasil já estava na rota de shows, mas não no nível que está hoje", explica. "Ir a um grande show internacional está virando um hábito por aqui. Por isso, não há mais aquela febre para comprar ingressos. Você não vê mais aquele desespero todo."

Segundo Marco, o público raciocina da seguinte maneira: não há problemas em perder um show de Madonna agora, porque ela deve voltar ao Brasil daqui a dois ou três anos.

Concorrência

A possibilidade de o público simplesmente não estar mais interessado em Madonna é afastada por profissionais da música. "Ela não está ultrapassada. Ainda é uma das artistas pop mais importantes da atualidade", diz Marco Camargo.

"É claro que não há mais aquela febre do novo, como existe com uma Lady Gaga, por exemplo. Mas há um fator mais importante: Madonna faz sucesso há muito tempo. E continua fazendo até hoje, mesmo com mais de 50 anos", afirma.

"O público que vai a um show não quer apenas ouvir os sucessos do momento. Quer escutar também aqueles hits antigos que já conhece, e isso Madonna tem de sobra."

Shows extras

Até o momento, Madonna tem três shows marcados no Brasil. O primeiro acontece no dia 1º de dezembro, no Parque dos Atletas, no Rio de Janeiro. Depois, ela segue para São Paulo (estádio do Morumbi, 4 de dezembro) e Porto Alegre (estádio Olímpico, 9 de dezembro).

Dos três, o do Rio é o com maior capacidade de público - 90 mil pessoas. Em São Paulo, são 75 mil ingressos e, em Porto Alegre, 43 mil.

A possibilidade de apresentações extras serem marcadas existe. "Quando fizemos o roteiro, deixamos datas abertas para shows extras", explicou Fernando Altério.

O estádio do Morumbi tem mais uma data reservada para Madonna: 5 de dezembro. O usual, em turnês deste porte, é só anunciar um segundo show quando - e se - o primeiro tiver ingressos esgotados.

    Leia tudo sobre: Madonnamúsicashows

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG