Alva Noto e Ryuichi Sakamoto tocam juntos no festival Sonar

Colaboração entre alemão e japonês começou em 1997; leia entrevista

AE |

Divulgação
O alemão Alva Noto
Em 1997, o artista alemão Carsten Nicolai, mais conhecido como Alva Noto, viu na plateia de sua performance um espectador ilustre: o compositor e pianista japonês Ryuichi Sakamoto (ganhador do Oscar pela trilha sonora de "O Último Imperador", de Bernardo Bertolucci). Após o show, mais uma surpresa: Sakamoto o procurou nos camarins para propor-lhe um trabalho em parceria.

Desde então, Alva Noto e Sakamoto fizeram várias colaborações juntos. A última, o disco "Summvs" (lê-se sumus, uma fusão de "soma" e "versus"), uma insólita combinação entre acústico e eletrônico, desembarca em sua forma de espetáculo no dia 11 no festival Sonar, no Anhembi, em São Paulo.

Leia também: Kraftwerk substitui Björk no Sonar São Paulo

"Ter encontrado Sakamoto não foi um turning point em minha carreira, mas certamente contribuiu para a expansão do meu espectro musical, tornou-se parte do meu aprendizado", contou Nicolai/Alva Noto em entrevista por telefone, da Alemanha.

Alva Noto, que declara como suas influências artísticas "os sons naturais, as formas clássicas dos jardins japoneses e o avant garde dos anos 1980, de Brian Eno, Laurie Anderson e Einstürzend Neubauten", tem um leque de interesses bem mais amplo do que o da cultura pop tradicional.

Para começar, é fissurado no trabalho do paisagista brasileiro Burle Marx (1909-1994). Mas não tem atração por coisas massivas. "Kraftwerk (grupo alemão anunciado na sexta como grande atração do Sónar) é muito comercial para mim, é música pop. Conheço também o trabalho de Vangelis, ouvia quando era adolescente. Fez boas trilhas sonoras, como aquela de Blade Runner - O Caçador de Androides", conta.

Apesar disso, ele não é refratário a apresentações em grandes festivais, como o Sónar. "Gosto de fazer apresentações em museus e também para plateias maiores, em festivais. São contextos específicos nos quais o desafio é criar um momento de excitação", considera. O resultado é uma rede de texturas minimalistas. Ele diz que não gosta de ter seu trabalho associado ao rótulo new age. "Não é por nada, é que eu detesto rótulos de uma maneira geral", afirma.

O espetáculo com Sakamoto será inédito. Nele, o compositor japonês toca piano e Alva Noto opera computadores e imagens. O som acústico do piano pode ou não ser processado pelo computador, ao mesmo tempo que Alva Noto cria imagens em tempo real, como uma leitura visual do som. "Há uma série de desenhos flexíveis a partir dos quais eu posso improvisar", explica. "O que fazemos é isso, criar momentos visuais em consonância com a música".

    Leia tudo sobre: Alva NotoRyuichi SakamotoSonarSonar São Paulomúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG