Milão estende exibição de escultura de "dedo médio"

Público quer que a obra ganhe um espaço permanente na cidade italiana

BBC Brasil |

selo

Divulgação
A obra L.O.V.E., do artista italiano Maurizio Cattelan
A cidade de Milão estendeu o prazo de exibição de uma controversa escultura do mais famoso artista italiano vivo, Maurizio Cattelan, que retrata um gesto obsceno.

Chamada oficialmente de L.O.V.E., mas conhecida popularmente como "O Dedo Médio", a escultura permanecerá na Piazza d'Affari, em frente à Bolsa de Valores de Milão, até o final da retrospectiva de Cattelan, em 24 de outubro. Simpatizantes do artista agora pressionam para que a praça se torne o lar permanente da obra, mas as opiniões estão divididas.

A peça é feita de mármore Carrara, o mesmo material usado por escultores renascentistas com Michelangelo e Bernini. Meteoro O gesto obsceno retratado na escultura e sua proximidade da bolsa levaram a sugestões de que ela teria uma mensagem anti-capitalista, o que foi negado pelo artista.

Divulgação
Trabalho de Cattelan retrata papa atingido por meteorito
Muitos turistas visitando Milão se dizem favoráveis a que a escultura receba um local permanente na cidade, que já abriga, em um convento, o famoso quadro a "Última Ceia" de Leonardo da Vinci. A obra sobre o papa foi vendida por US$ 3 milhões Já outros dizem que o trabalho seria um insulto aos séculos de tradição da arte italiana.

Autoridades como o presidente do comitê de Cultura da cidade, Massimiliano Finazzer Flory, querem manter a obra em Milão. Mas um problema para isso seria o preço. O trabalho mais conhecido de Cattelan, retratando o papa João Paulo 2º atingido por um meteorito, foi leiloado por US$ 3 milhões (mais de R$ 5 milhões).

    Leia tudo sobre: Cattelanobra polêmica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG