Tonico Pereira: 'Trago seu personagem em três dias ou o seu dinheiro de volta'

Ator que interpreta o Mendonça em A Grande Família espalha cartazes pela cidade para divulgar seu curso ¿informal¿ de teatro e lança biografia

Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro |

Ele abre a porta de casa vestindo apenas uma cueca samba-canção. Nada mais que isso. Descalço, pede para que a equipe vá entrando pela sala, enquanto se despede de uma aluna. “Sou assim, chamo Shakespeare para beber como se fosse meu amigo. Não tenho formalidades”, diz ele para a jovem, já no corredor. Talvez fosse também, indiretamente, um recado para os que se encontravam ali no sofá de sua sala, com vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio.

Há alguns meses, Tonico vem espalhando pela cidade um cartaz com os seguintes dizeres: “Atores/ Atrizes e afins. Está desesperado (a)? O trabalho não rende? Venha com o texto mais ou menos decorado, que eu trago o personagem em três dias ou seu dinheiro de volta. Pai Tonico Pereira D’Angola”.

Foi a forma que ele encontrou para divulgar seu curso de interpretação ao seu estilo - “informal”, em casa mesmo, no improviso. Tonico já colhe resultados dessa sua curiosa ação de marketing, que pega carona nas mães de santo que emporcalham a cidade prometendo “trazer a pessoa amada em três dias”. A diferença é que o ator só cola seu cartaz em locais autorizados, como em portas de cursos de teatro.

De férias da TV, onde volta em março como o Mendonça de A Grande Família, Tonico concedeu a seguinte entrevista ao iG , onde fala de sua relação com as artes e da sua biografia, escrita por Eliana Ribeiro. Aliás, são os rascunhos de seu livro que voam pelos ares quando ele tem a ideia de fazer a foto sentado sobre a mesa de jantar. “Pai Tonico não faz milagres, mas faz o povo rir. Todas as minhas ex-mulheres me trataram como um ogro de estimação. É assim que eu sou”, diz.

Selmy Yassuda
Pai Tonico não faz milagres, mas faz o povo rir. Todas as minhas ex-mulheres me trataram como um ogro de estimação

iG: Por que resolveu dar um curso para atores?
Tonico Pereira: Não é um curso, é uma preparação de aula que posso fazer até sentado no bar. Ou aqui, no sofá, falando com você. Não cumpro nenhum ritual. Basta esquentar a voz e acender um cigarro. Fiz este curso para ganhar dinheiro.

iG: Quanto cobra por cada aula?
Tonico Pereira: Tive pouquíssimos alunos até agora. É iniciante, mas é um trabalho sério, ainda penso em ganhar dinheiro com isso. Só não consegui ainda cobrar nada. Está todo mundo fudid* ( risos ).

iG: Você pôs seu celular na propaganda que espalha pela cidade. Recebe muito trote?
Tonico Pereira: Não recebi trotes. Mas teve um menino que ligou querendo uma consulta com um pai de santo de verdade. Comecei a rir.

Selmy Yassuda
Detalhe do cartaz que Tonico espalha pelo Rio
iG: Que tipo de pessoa tem te procurado?
Tonico Pereira: Olha, já falo logo. Quero trabalhar com iniciados, não com iniciantes. Se for iniciante, precisa ter no mínimo vocação e talento. Teve uma senhora que chegou aqui, e era tão ruim, que me fez dormir enquanto falava. Não dá!

iG: Os alunos te chamam de “professor”?
Tonico Pereira: Me chamam de mestre, mas acho isso uma merda ( risos )! Mestre pressupõe o ensino. O mais importante não é ensinar, é aprender. Meu amigo é dono da Casa do Saber e vivo falando para ele que o certo seria Casa do Aprender.

iG: “Pai Tonico” já fez algum milagre?
Tonico Pereira: Teve um cara que ia fazer teste para a Globo, veio me procurar porque não conseguia decorar nem uma lauda sequer. Mandei ele ler e depois me contar a história. Mando pegar cinco frases chaves do texto e decorar aquilo, para depois inseri-las no meio do que for contar. Pronto, o autor já vai achar que você decorou tudo. Deu certo. Ele passou no teste.

iG: E quando o aluno é muito ruim?
Tonico Pereira: Pedi para um aluno, para interpretar o ator que ele considera o melhor do mundo. Ficou muito ruim. O ator que ele achava ótimo também é muito ruim. Aí não tem jeito. Mandei ir embora. O fundamental não é decorar o texto, mas entender o que se está falando. Você pode até esquecer uma palavra, mas não pode esquecer a ideia. Por isso, prefiro gente com talentos.

iG: Geralmente a pessoa tende a achar que tem talento, não?
Tonico Pereira: Tem pessoas que são desavisadas. A burrice é responsável por uma série de coisas no mundo. Mas veja, é comum o sucesso vir para uma pessoa que tem um nariz ou um olho bonito. Num mundo capitalista, quem ganha bem, é melhor que eu. Faz parte.

iG: Você disse há pouco que “chama Shakespeare para conversar”. Pai Tonico incorpora autores mortos também?
Tonico Pereira: ( Risos ) Chamo Shakespeare para conversar, para beber... Minha relação é assim com a vida. Não consigo trabalhar preso a hierarquias. O homem não foi criado para isso. es. Tiro as pessoas do pedestal.

iG: Você tem faculdade de artes cênicas?
Tonico Pereira: Só estudei o primário, depois enrolei... Fiz escola técnica de contabilidade. Honestamente nunca estudei, não sei como passava de ano. Minhas universidades foram os bares e puteiros do Brasil inteiro. Sempre tive uma vida boêmia. Está vendo estes livros todos aqui na sala? São da minha mulher (Marina Salomão, bailarina), não li nenhum. Ela é meu acervo.

Selmy Yassuda
Ensinamentos em livro e em blog: "Tenho respeito humano por todo mundo, mas não consigo trabalhar sem intimidade"

iG: Recentemente, você lançou uma biografia. Foi difícil o processo de passar sua vida a limpo?
Tonico Pereira: Minha biógrafa queria me censurar. Até que, de saco cheio, falei: “Adoro o Tony Ramos, mas você não está fazendo a biografia do Tony, está fazendo a biografia do Tonico”. Eu até gostaria de ter uma convivência mais próxima com o Tony, porque isso me contrabalancearia, me daria outro lado de vivência, mais sensível... Ah, você pode citar meu blog nesta entrevista?

iG: É sobre o quê?
Tonico Pereira: São crônicas... Escrevo tomando vinho, mas é tudo em papel. Tem uma pessoa que digita, corrige os erros de português e publica no blog. A internet é como uma calcinha sem cheiro. Tem gente que faz sexo com a internet, acho isso engraçadíssimo. Meu blog (“ O analfabeto que escreve ”) é para reforçar minha função como analfabeto digital. Eu não sei ligar a TV!

iG: Aos 62 anos, você é pai de gêmeos de 5 anos. Este fato retarda o envelhecimento mental?
Tonico Pereira: Meu problema com a idade vai surgir quando eu ficar brocha ( risos ). Tive um casal de gêmeos aos 57 anos. Filho na velhice dá uma impotência de vida terrível, porque já não posso mais exercer a figura de “pai herói”. Se eu não me assumir como eu sou, não teria como assumir qualquer outro personagem. Podia estar bem vestido para te receber em casa, mas aí não seria eu.

iG: E quem é Tonico Pereira?
Tonico Pereira: Sou um cara gostoso, não glamoroso. As mulheres que tive cometeram a ignorância de darem para mim na primeira vez, ao darem, não conseguiam sair da relação. Sou um ogro. Amei todas as mulheres que tive e, invariavelmente, todas me trataram como um “ogro de estimação”. Enquanto me deram um bom sexo por estimação, eu fui feliz (risos).

iG: Um homem de muitas mulheres?
Tonico Pereira: Um homem que soube conjugar o verbo amar permanentemente. Hoje sou um ator de aluguel. Mas posso ser pai de aluguel também. Entrego esperma em casa, cometo qualquer loucura. Brincadeira ( risos )! É só para manter a informalidade.

Selmy Yassuda
Tonico sobre a internet: "Não faço ideia de como estas coisas funcionam, mas adoro que funcionem"

    Leia tudo sobre: tonico pereirabiografiacurso de teatro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG