Novo livro de Fernando Morais chega às livrarias

"Os Últimos Soldados da Guerra Fria" relembra ação de agentes secretos cubanos nos EUA

iG São Paulo com EFE |

O livro "Os Últimos Soldados da Guerra Fria" (Companhia das Letras, 408 pgs), de Fernando Morais, que chegou nesta sexta-feira às livrarias do país, relata em detalhe o caso dos cinco cubanos presos nos Estados Unidos por espionagem, com base em documentos inéditos e entrevistas com todos eles.

O escritor e jornalista, que teve acesso a documentos do FBI e do serviço secreto do governo Fidel Castro, narra a aventura dos agentes cubanos que integraram a Rede Vespa e os tentáculos dos grupos anticastristas de Miami nos quais se infiltraram.

Autor de obras como "A Ilha" (justamente sobre Cuba), "Olga" e "Chatô, o Rei do Brasil", Morais contou que foi preciso mais de uma década para ter acesso ao material, devido à resistência encontrada nos dois países. "Só consegui no início de 2008. Desde então fiz cerca de 20 viagens a Havana, Miami e Nova York", disse Morais, que revelou ter contatos no governo cubano.

"Cuba liberou todo o material disponível e me permitiu entrevistar quem eu quisesse, até mercenários estrangeiros que haviam sido detidos por colocarem bombas em hotéis e restaurantes turísticos de Cuba e condenados à morte", acrescentou o autor.

Divulgação
Capa de "Os Últimos Soldados da Guerra Fria"
"Os cinco", como são conhecidos Gerardo Hernández, René González, Antonio Guerrero, Fernando González e Ramón Labañino, foram detidos em 1998 na Flórida e um tribunal federal norte-americano os condenou em 2001 por conspirar contra a segurança nacional.

Em Cuba todos são considerados "heróis" por terem combatido os grupos de exilados cubanos de extrema direita em Miami. De acordo com a apresentação do livro, esses grupos foram responsáveis por 127 atentados terroristas em cinco anos.

Considerado o líder da rede, Hernández cumpre duas penas de prisão perpétua nos EUA, uma por conspiração e espionagem e outra por envolvimento na queda de dois aviões do grupo anticastrista "Hermanos al Rescate", abatidos por caças cubanos em 1996.

A Rede Vespa foi criada na década de 1990 pelo serviço secreto cubano e era formada por 14 agentes que se infiltraram em algumas das inúmeras organizações contra Fidel Castro que atuavam no estado da Flórida, apoiadas de modo tácito pelas esferas de poder nos EUA (Executivo, Legislativo e Judiciário).

nullFernando Morais teve acesso a informações confidenciais e a cerca de 30 mil documentos enviados pela rede Rede Vespa a Cuba, apreendidos pelo FBI em casas de agentes cubanos em Miami. O autor também conseguiu uma cópia do relatório sobre o terrorismo do exílio cubano na Flórida, que Fidel Castro enviou a Bill Clinton, na época em que era presidente dos Estados Unidos, através do romancista colombiano Gabriel García Márquez.

Segundo Morais, nos Estados Unidos foi mais difícil ter acesso a dado devido ao fato de agentes do FBI não terem autorização de darem declarações públicas – só foi possível entrevistá-los sem identificá-los.

Para escrever o livro, o autor realizou 17 entrevistas em Cuba, 22 nos Estados Unidos e uma no México, entre elas uma por e-mail com René González. Além disso, o próprio González, Hernández, Guerrero e Labañino foram entrevistados por meio de seus familiares em Cuba. Morais também conversou com líderes anticastristas em Miami responsáveis pelos atentados em Cuba.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG