Mulher de Saramago avalia 'El Último Cuaderno' como 'presente'

Obra póstuma do escritor reúne textos feitos entre março de 2009 e junho de 2010

EFE |

A um dia da véspera de completar oito meses da morte do escritor José Saramago, a cidade de Barcelona homenageia o Nobel português com diferentes eventos. Um deles é relacionado à sua obra póstuma "El Último Cuaderno", que nesta quinta-feira foi considerada, pela mulher do escritor, Pilar del Río, considerou como "um presente inesperado".

Com prefácio escrito por Pilar e pelo italiano Umberto Eco, "El Último Cuaderno" reúne os textos que Saramago escreveu de forma assídua em seu blog pessoal, entre 23 de março de 2009 e 2 de junho de 2010, 16 dias antes de morrer em Lanzarote.

Reflexões íntimas, comentários sobre política, pensamentos e simples opiniões dos temas mais diversos compõem o livro. Pilar também revelou que está trabalhando na edição de um romance inédito, que se chamará " Alabardas, alabardas, espingardas, espingardas", embora pouco pôde antecipar.

A mulher de Saramago também anunciou que a partir do dia 18 de março abrirá ao público a casa de Lanzarote (arquipélago espanhol das Canárias), embora o escritor nunca tivesse dado sua autorização ou ao menos discutido a possibilidade. Na sexta-feira, a programação de homenagens exibirá o documentário "José e Pilar" na Universidade Autônoma de Barcelona. O filme é obra do diretor português Miguel Gonçalves e relata a intensa vida e as viagens do casal.

    Leia tudo sobre: José Saramagoliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG